Pular para o conteúdo principal

Antídoto para a falta de inspiração

Às vezes nos esquecemos que para compreender a genialidade literária de um povo é necessário muito mais que a leitura de suas obras, mas a compreensão de sua história. Com a Literatura Inglesa não seria muito diferente.
Estamos tão habituados a ler Shakespeare, Charles Dickens, J.K.Rowling, J.R.R.Tolkien, só para resumir a longa de lista de grandes escritores, que dificilmente nos perguntamos de onde vem tanta inspiração.
Estou em uma fase de pesquisas para o meu próximo livro, e isso inclui muita leitura da história. Pois bem, descobri recentemente uma belíssima publicação chamada “Uma história dos povos de língua inglesa”, de autoria do fabuloso Prêmio Nobel, Winston S. Churchill. Não vou me alongar sobre livro e autor por que o farei em um post após terminar a leitura deste livro.
O fato, no entanto, é que lendo toda a primeira parte da obra, não pude deixar de fazer isto revendo mentalmente cena a cena do épico O Senhor dos Anéis.
A invasão romana, insistente, que chegou a levar elefantes a bordo de precários navios; as invasões dos normandos, dos árabes, dos vikings com seus navios com “nariz” de dragão. Cada detalhe dessas invasões me lembrou um dos exércitos do senhor dos anéis.
Imaginem a surpresa dos britânicos ao ver desembarcar um elefante, um verdadeiro gigante com uma “cobra” na fronte. Quantas histórias, quantos mitos? Não se vê ai os temíveis Olifantes que atacaram Gondor?
E os povos vikings e normandos, com seus grandes navios capazes de embarcar uma tripulação gigantesca. Como será que as pessoas se sentiam naquela época, na qual a Terra Média era a própria ilha, que nestes tempos não era nem Reino Unido, nem Inglaterra e o mal sempre viria do mar?
Não tenho a pretensão de falar sobre literatura inglesa aqui, mesmo por que estou muito longe de compreendê-la da forma como se deve. No entanto, o aprofundamento nas bases históricas deste povo levou-me a uma compreensão do processo criativo muito maior que qualquer livro bestseller intitulado “como ser criativo”.
A escrita é uma amostra de nosso DNA, de nossa genética. Sabemos que em cada gene de nosso corpo está registrado toda a história da humanidade, e particularmente da cultura onde vivemos.
O texto vai além do treino, da persistência e da paciência. A criatividade literária tem muito a ver com quem somos, a parte do mundo a qual pertencemos e as experiências que são tão particulares e tão pessoais.
É por isso que nós escritores e pretendentes a tal precisamos transcender os bancos escolares com suas aulas de histórias insípidas, sem interesse, e partirmos em busca de nossas origens genéticas ou de nossos “corações”.
Nossos fantasmas, monstros, graal, momentos mágicos estão escondidos em algum lugar no passado, nas caravelas, nas peregrinações, na vida dos camponeses, dos escravos, no imaginário dos antigos índios, dos celtas, dos incas. Se você não conhecê-los de forma sistemática como poderá fazer o novo?
Faça um exercício. Imagine se uma sacerdotisa de Apolo viesse para o século XXI. Em quais elementos ela enxergaria seus medos, seus mitos e seus deuses? Pense, reflita e se possível, pesquise para encontrar a resposta. Depois disso, se tiver vontade escreva o que pensou. Pronto, talvez exista ai, neste simples refletir uma boa história.

Fotos e ilustrações tiradas da internet. Infelizmente estavam sem o devido crédito.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Inferno

Autor:  Dan Brown Tradutor: Fabiano Morais e Fernanda Abreu Editora:  Arqueiro Número de páginas:  448 Ano de Lançamento:  2013 (EUA) Avaliação do Prosa Mágica:   9                               Gênio ou Louco? Você termina a leitura de Inferno e continua sem uma resposta para esta pergunta. Dan Brown nos engana, muito, de uma maneira descarada, sem dó de seu leitor, sem nenhuma piedade por sua alma. O autor passa praticamente metade do livro te enganando. Você se sente traído quando descobre tudo, se sente usado, irritado, revoltado. Que é esse Dan Brown que escreveu Inferno??? Nas primeiras duzentas páginas não parece ser o mesmo que escreveu brilhantemente Símbolo Perdido e Código D’Vince.  Mapa do Inferno. Botticelli. Então, quando você descobre que está sendo enganado, assim como o brilhante Robert Langdon, a sua opinião vai se transformando lentamente, e passa de pura revolta a admiração. É genial a manipulação que Dan Brown consegue fazer c

Tudo vai passar

Diante desta desgraça geral, com tantas mortes no mundo e no Brasil, pode parecer estranho um blog falar de leitura, de romance, de ficção, de sonhos. Pode ter a certeza que não é. Do que é feita a vida, senão de sonhos tornados realidades? O que seria agora, dos milhões de italianos que estão em isolamento total em suas casas se não fosse o sonho, a esperança? - Tudo vai passar. Uma das maneiras mais ricas de se passar um momento como esse é a leitura.   O livro é a porta aberta para o mundo que não podemos caminhar; são os abraços que não podemos dar; são os familiares que não podemos encontrar; são pessoas diferentes com as quais podemos dialogar, mesmo que em um primeiro momento pareça que estamos exercendo um monologo. Você pode optar por dialogar com escritores mais contemporâneos, que nos apresentam uma linguagem atual. Talvez uma conversa regada a saquê com Murakami com “histórias bizarras que gravitam no limite do realismo fantástico” como explica Felipe Massahiro.

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o