Pular para o conteúdo principal

A Lebre com Olhos de Âmbar

Há formas e formas de se estudar uma época. Os livros de história tradicionais nos levam de volta aos bancos escolares, com o maior crime que se pode cometer: - achar que se conhece história por que decorou datas.
Há ainda uma forma bem mais inteligente e instigante que nos leva a uma viagem através dos olhos de uma família ou da sociedade.
Edmund de Wall, um ceramista consagrado, nos leva a segunda forma de entender a história através das páginas de A Lebre com Olhos de Âmbar (Ed. Intrínseca).
Inteligente, instigante, fascinante, Wall nos conduz pela Paris do final do século XIX, por Viena, Tókio e Londres sob os olhos de seus familiares: - os Ephrussi.
264 miniaturas japonesas – netsuquês -, esculpidas em marfim e madeira, herdadas de seu tio-avô são o leitmotif da história. No entanto, o que poderia ter sido apenas um amontoado de relatos monótonos sobre a coleção se expande de forma brilhante em uma história que nos leva a uma Paris pululante de artistas, mas recheada de preconceitos, a uma Viena cuja glória foi construída pelos judeus, que de repente viram o anti-semitismo crescer durante a Primeira Guerra.
É chocante se deparar com a informação que o grande pintor Degas,cujas delicadas bailarinas são sua maior representação, tinha tendências anti-semitas. Mais absurdo ainda é descobrir que um “maluco” escreveu um livro de vendeu 100 mil cópias em um ano, também com fortes declarações contra os judeus – Edouard Drumont, e seu livro chamava-se “La France Juive”.
Então, você passa o livro todo se perguntando o porquê de tanto preconceito e torce para ter um tempo para correr até uma livraria e comprar uma História do Povo Judeu, para compreender um pouco mais.
Também é espantoso descobrir que na Paris do final do século, amantes eram absolutamente normais. Homens e mulheres tinham suas famílias tradicionais e seus amantes. Os encontros se davam nos incontáveis Salões – locais nos quais as pessoas se reuniam para dançar, conversar sobre política, poesia, literatura, e ter encontros secretos. – Também se encontravam nas casas que vendiam coleções de arte. Na época, o japonismo era a moda. Carregamentos vindos do Japão eram a desculpa para tais encontros.
A parte que relata Viena especificamente nos faz sentir-se diante da tela de um cinema cujo filme começa a passar cenas em sequência que vão de uma Viena abundante a uma Viena destruída, empobrecida e envenenada pelo preconceito. A descrição é tão bem feita que você “enxerga” as cenas.
A Lebre com Olhos de Âmbar é um livro para ser lido do começo ao fim sem descanso e compartilhado com as outras pessoas através de presentes.
Melhor que ler um bom livro é poder, sem dúvida, conversar sobre ele. Pode ter a certeza que a história de Edmund de Wall pode nos proporcionar meses de um bom bate papo.

Comentários

Anônimo disse…
Ainda não tive oportunidade de ler esse livro, mas um fato é indiscutível, o que hoje é história foi intensamente vivido num dado momento, então não pode ser aprendido apenas como descritivo de fatos e datas. Com certeza, uma "estória" pessoal,contada a partir de um observador atento que tenha vivenciado o período passará muito mais informações, conceitos, fatos que são abrigados por sentimentos e emoções e,... assim, não é possível esquecer o que ouvimos. Esse é o verdadeiro aprendizado.

Postagens mais visitadas deste blog

Inferno

Autor:  Dan Brown Tradutor: Fabiano Morais e Fernanda Abreu Editora:  Arqueiro Número de páginas:  448 Ano de Lançamento:  2013 (EUA) Avaliação do Prosa Mágica:   9                               Gênio ou Louco? Você termina a leitura de Inferno e continua sem uma resposta para esta pergunta. Dan Brown nos engana, muito, de uma maneira descarada, sem dó de seu leitor, sem nenhuma piedade por sua alma. O autor passa praticamente metade do livro te enganando. Você se sente traído quando descobre tudo, se sente usado, irritado, revoltado. Que é esse Dan Brown que escreveu Inferno??? Nas primeiras duzentas páginas não parece ser o mesmo que escreveu brilhantemente Símbolo Perdido e Código D’Vince.  Mapa do Inferno. Botticelli. Então, quando você descobre que está sendo enganado, assim como o brilhante Robert Langdon, a sua opinião vai se transformando lentamente, e passa de pura revolta a admiração. É genial a manipulação que Dan Brown consegue fazer c

Tudo vai passar

Diante desta desgraça geral, com tantas mortes no mundo e no Brasil, pode parecer estranho um blog falar de leitura, de romance, de ficção, de sonhos. Pode ter a certeza que não é. Do que é feita a vida, senão de sonhos tornados realidades? O que seria agora, dos milhões de italianos que estão em isolamento total em suas casas se não fosse o sonho, a esperança? - Tudo vai passar. Uma das maneiras mais ricas de se passar um momento como esse é a leitura.   O livro é a porta aberta para o mundo que não podemos caminhar; são os abraços que não podemos dar; são os familiares que não podemos encontrar; são pessoas diferentes com as quais podemos dialogar, mesmo que em um primeiro momento pareça que estamos exercendo um monologo. Você pode optar por dialogar com escritores mais contemporâneos, que nos apresentam uma linguagem atual. Talvez uma conversa regada a saquê com Murakami com “histórias bizarras que gravitam no limite do realismo fantástico” como explica Felipe Massahiro.

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o