Pular para o conteúdo principal

Viva o modo de vida francês!

Uma frase com duplo sentido e intencional intitula este post. Os prazeres da França com seu charme, cores, champanhe, chocolates, queijos e baguetes não são os únicos e exclusivos presentes que a terra de Rousseau nos traz.
Pontuada por seu arsenal de grandes escritores, poetas, pensadores, a França nos apresenta um panorama difícil de acreditar: - mulheres magras e elegantes.
É espantoso que alguém, diante de uma gastronomia recheada de calorias possa manter-se em forma. Bem, se eu disser que é cultural, social e antropológico você acreditaria?
Confesso que desconheço a existência de outros livros sobre o tema, mas há um, interessantíssimo, que vale a pena ser explorado. Lançado no Brasil em 2005 pela editora Campus, “As mulheres francesas não engordam”, de Mireille Guiliano, CEO da Clicquot (uma das melhores marcas de Champanhe no mundo).
Neste livro muito bem escrito, Mireille nos conta sua história: - uma francesa típica, intercambista nos Estados Unidos, que se perdeu nas “delícias” da culinária fast food e retornou a sua terra natal, gorda.
Um fato comum para nós, imersos em uma cultura da “comida em quantidade” e não qualidade, mas uma tragédia para quem cresceu aprendendo que o ato de comer está associado ao prazer e ao comedimento.
Com esta reflexão ela nos dá um panorama de como as mulheres na França encaram a comida, e quais são os “truques” que usam para não perder a forma.
O livro é um levantamento cultural do comportamento da mulher francesa, na verdade, um luxo para o que muita gente acredita ser apenas mais um manual de como emagrecer.
Mireille nos leva a uma viagem através do encantamento de iguarias que os brasileiros não estão acostumados, muitas delas vendidas em qualquer feira de bairro. São delícias como alho poro, ameixas (na França elas são abundantes o ano todo), ostras, cogumelos que são literalmente caçados em bosques e não cultivados em caixotes empilhados em porões escuros.
Há receitas magníficas que podem e devem ser experimentadas pelos leitores sem susto e sem afetar o orçamento mensal, exceto se você decidir que irá comer ostras e tomar o champanhe da Clicquot todos os dias.
Meireille reflete que é preferível uma refeição completa, a um prato lotado de comida misturada, que você já não percebe o sabor.
É verdade, só sentimos o verdadeiro sabor de alimentos e bebidas nas primeiras “garfadas”, depois disso é só o acumulo. É por isso que brasileiros se espantam quando vão aos restaurantes franceses aqui em São Paulo e, na maioria das vezes dizem:
- Só isso? – e ficam indignados.
Não vou detalhar o que deve ser saboreado página a página, receita a receita.
Li este livro em 2005, logo que foi lançado e me encantei. Um ótimo presente de natal para os aficcionados em comidas e por que não dizer, para as gordinhas.
Enquanto você não se presenteia com um exemplar que tal ir até a cozinha e fazer um jantar especial regado a vinho e sobremesa. Tenha absoluta certeza: - você merece este carinho.


Fotos: Todas da internet, sem crédito ou autor.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A princesa dos olhos tristes

Se vocês me permitem um pequeno comentário intimo, há uma “mania” na família de minha mãe de colocar nome de princesas nas filhas. Naturalmente começou com a minha, que me batizou de Soraya (em homenagem a princesa da Pérsia, Soraya Esfandiary Bakhtiari), depois minha prima batizou sua filha de Caroline (Homenagem a filha da belíssima Grace Kelly, rainha de Mônaco) e alguns anos depois, meus tios colocaram o nome de Anne (princesa da Grã Bretanha), em minha prima. Então é fácil imaginar que vivemos em clima de “família real” boa parte de nossa infância e adolescência. Mas, de todas as histórias reais, a que mais me intriga e fascina é a da princesa da Pérsia, por ter sido uma história de amor com final infeliz, mas não trágico. Soraya foi a esposa e rainha consorte de Mohammad Reza Pahlavi, Xá da Pérsia. Conheceram-se na França, na época em que Soraya fazia um curso de boas maneiras em uma escola Suíça. Logo ela recebeu um anel de noivado com um diamante de 22,37 quilates. O casamento

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o

Inferno

Autor:  Dan Brown Tradutor: Fabiano Morais e Fernanda Abreu Editora:  Arqueiro Número de páginas:  448 Ano de Lançamento:  2013 (EUA) Avaliação do Prosa Mágica:   9                               Gênio ou Louco? Você termina a leitura de Inferno e continua sem uma resposta para esta pergunta. Dan Brown nos engana, muito, de uma maneira descarada, sem dó de seu leitor, sem nenhuma piedade por sua alma. O autor passa praticamente metade do livro te enganando. Você se sente traído quando descobre tudo, se sente usado, irritado, revoltado. Que é esse Dan Brown que escreveu Inferno??? Nas primeiras duzentas páginas não parece ser o mesmo que escreveu brilhantemente Símbolo Perdido e Código D’Vince.  Mapa do Inferno. Botticelli. Então, quando você descobre que está sendo enganado, assim como o brilhante Robert Langdon, a sua opinião vai se transformando lentamente, e passa de pura revolta a admiração. É genial a manipulação que Dan Brown consegue fazer c

Seguidores