Pular para o conteúdo principal

A Trágica história do Doutor Fausto

Há um ditado que diz “quem procura acha”, e foi o que aconteceu. Meses atrás do texto Doutor Fausto, de Christopher Marlowe me colocaram diante de uma adaptação muito boa. Não era a edição que eu queria, mas também, como poderia indicar a leitura de um texto se até nos sebos está quase impossível encontrá-lo?
A editora Difel possui uma coleção intitulada “O mais atual do Teatro Clássico” e o volume I traz duas peças de Marlowe: Doutor Fausto e “Dido, a rainha de Cartago.” Vou separar em dois posts por que cada uma destas peças merecem uma análise individualizada.
Alguns de vocês devem estar se perguntando: Quem foi Christopher Marlowe?
Quem assistiu ao filme “Shakespeare Apaixonado” deve se lembrar de um desafeto do autor que morre esfaqueado em uma briga na taverna. Este personagem é Christopher.
Marlowe nasceu em 1564, no mesmo ano de Shakespeare e é cercado de muitos mistérios e lendas. Diziam que ele era espião da Rainha Elizabeth II e delatava os delinquentes londrinos. Além disso, há histórias que afirmam ele ter pertencido a Escola da Noite, um misterioso grupo ligado a alquimia, a magia e a difundir os conceitos modernos de Galileu e Copérnico sobre a teoria do heliocentrismo. Afirmam também que ele recebeu de seu mestre o segredo da pedra filosofal. Mas tudo isso são histórias que não são confirmadas, ou talvez alguma sociedade secreta atual possa nos informar sobre isto.
O fato é que ele foi um dramaturgo brilhante e segundo alguns críticos, melhor que Shakespeare, sendo que este o superou apenas após a morte de Marlowe.
Doutor Fausto, ou como no português “A Trágica história do Doutor Fausto” foi a primeira versão para teatro da lenda alemã sobre o estudioso que vende sua alma ao diabo em troca de conhecimento e poder.
Na obra desfilam anjos, demônios e humanos que se encontram em profundo questionamento sobre o bem e o mal. Muito mais que isso, Fausto quebra o paradigma da criação do homem e sua natureza divina, quando joga sua eternidade fora para superar as limitações humanas.
Fausto desfruta de 24 anos de poder e satisfação até que o demônio volta para buscar sua alma e o despedaça em profunda alusão a divisão que o homem encontra dentro de si mesmo ao questionar e tentar superar seus limites.
Quem não daria a alma em troca de todo o conhecimento da Terra? É essa a questão discutida durante todo o texto e ao final você termina a leitura com a impressão que a resposta tem várias vertentes, assim como o mundo subatômico pertence à esfera de incerteza e do olhar do observador.
A tradução e adaptação de Luiz Antonio Aguiar está impecável. Não pense que encontrará um texto fácil pelo fato de ser uma adaptação. Aguiar conseguiu trazer esta tragédia para a linguagem atual sem perder o peso do original. Afinal, não dá para imaginar um Fausto fácil de ler como um gibi.
O outro texto “Dido, a Rainha de Cartago” será comentado em outro post.

Para saber mais sobre Marlowe e a Escola da Noite:
505 Grandes Escritores – Julian Patrick. Editora Sextante

The Secret History of the World, Jonathan Black. Editora Quercus

Acompanhe também a página da autora Deborah Harkness no facebook, que em seu próximo livro Sombras da Noite (Mesmo título do poeta contemporâneo de Marlowe, George Chapman, pertencente a Escola da Noite) algumas destas histórias como elemento de ligação da trama, conforme informação do site da autora.
Na internet há muita informação, as mais confiáveis estão em Inglês.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Inferno

Autor:  Dan Brown Tradutor: Fabiano Morais e Fernanda Abreu Editora:  Arqueiro Número de páginas:  448 Ano de Lançamento:  2013 (EUA) Avaliação do Prosa Mágica:   9                               Gênio ou Louco? Você termina a leitura de Inferno e continua sem uma resposta para esta pergunta. Dan Brown nos engana, muito, de uma maneira descarada, sem dó de seu leitor, sem nenhuma piedade por sua alma. O autor passa praticamente metade do livro te enganando. Você se sente traído quando descobre tudo, se sente usado, irritado, revoltado. Que é esse Dan Brown que escreveu Inferno??? Nas primeiras duzentas páginas não parece ser o mesmo que escreveu brilhantemente Símbolo Perdido e Código D’Vince.  Mapa do Inferno. Botticelli. Então, quando você descobre que está sendo enganado, assim como o brilhante Robert Langdon, a sua opinião vai se transformando lentamente, e passa de pura revolta a admiração. É genial a manipulação que Dan Brown consegue fazer c

Tudo vai passar

Diante desta desgraça geral, com tantas mortes no mundo e no Brasil, pode parecer estranho um blog falar de leitura, de romance, de ficção, de sonhos. Pode ter a certeza que não é. Do que é feita a vida, senão de sonhos tornados realidades? O que seria agora, dos milhões de italianos que estão em isolamento total em suas casas se não fosse o sonho, a esperança? - Tudo vai passar. Uma das maneiras mais ricas de se passar um momento como esse é a leitura.   O livro é a porta aberta para o mundo que não podemos caminhar; são os abraços que não podemos dar; são os familiares que não podemos encontrar; são pessoas diferentes com as quais podemos dialogar, mesmo que em um primeiro momento pareça que estamos exercendo um monologo. Você pode optar por dialogar com escritores mais contemporâneos, que nos apresentam uma linguagem atual. Talvez uma conversa regada a saquê com Murakami com “histórias bizarras que gravitam no limite do realismo fantástico” como explica Felipe Massahiro.

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o