Pular para o conteúdo principal

Diário de uma Paixão

Eu sempre me questionei até onde uma paixão poderia nos levar, e a resposta sempre esteve tão clara e tão cristalina: - A paixão nos leva a uma espécie de loucura, mas o amor pode absolutamente tudo, em qualquer tempo e espaço.
Pois bem, lendo Diário de uma Paixão, de Nicholas Sparks me deparo com o que considero um grande erro: - O nome, Diário de um Amor seria mais adequado.
O que Noah sente por Allie não é uma paixão, é amor, algo que perdurou uma vida inteira e continua forte, mesmo quando esta mulher, já uma idosa e portadora de Alzheimer, perde totalmente a memória e se tranca em seu mundo próprio e vazio de lembranças.
No entanto, Nicolas Sparks é um gênio, ou melhor, um grande roteirista. Seus livros são indiscutivelmente roteiros de filmes completos. Talvez por isso precisei de muita paciência e força de vontade para vencer as 50 primeiras páginas. Maçantes, vagarosas, lentas como se a história se arrastasse sem um rumo certo a ser tomado; lentas como aquelas pessoas que não sabem contar uma história e começam a se perder em meandros desnecessários.
Que bom que venci a vontade de parar de ler. Logo após fui presenteada com uma história de amor linda, marcante, adulta e verdadeira. Com certeza não é a mais linda que já li em minha vida, há outras, mas com certeza será um das quais não me esquecerei.
Tenho que agradecer ao meu amigo Alberto o presente que me deu em meu aniversário. Nicholas Sparks fazia parte daqueles autores que estavam em uma lista de leituras futuras, mas que acabavam sempre ficando em segundo plano nas minhas visitas as livrarias. Confesso que me surpreendi, assim como me surpreendi um dia com Sidney Sheldon.
A trama é comum, um adolescente apaixonado por uma garota de uma classe social acima dele, e que, por preconceitos da época acabam não podendo ficar juntos. Quinze anos depois eles se reencontram e vivem este grande amor.
Poderia ter sido um livro meloso, mas não foi; poderia ter sido um excesso, mas as cenas que envolvem sexo são tão delicadas e sutis que poderiam ser apresentadas na sessão da tarde.
Em resumo, quem não assistiu ao filme, leia o livro primeiro, deixe-se surpreender, permita-se insistir mais um pouco e só assim será presenteado com um texto bem amarrado e com a profundidade de um bom observador.
Nicholas Sparks é norte americano, tem 47 ano e O Diário de uma Paixão foi seu primeiro grande sucesso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A princesa dos olhos tristes

Se vocês me permitem um pequeno comentário intimo, há uma “mania” na família de minha mãe de colocar nome de princesas nas filhas. Naturalmente começou com a minha, que me batizou de Soraya (em homenagem a princesa da Pérsia, Soraya Esfandiary Bakhtiari), depois minha prima batizou sua filha de Caroline (Homenagem a filha da belíssima Grace Kelly, rainha de Mônaco) e alguns anos depois, meus tios colocaram o nome de Anne (princesa da Grã Bretanha), em minha prima. Então é fácil imaginar que vivemos em clima de “família real” boa parte de nossa infância e adolescência. Mas, de todas as histórias reais, a que mais me intriga e fascina é a da princesa da Pérsia, por ter sido uma história de amor com final infeliz, mas não trágico. Soraya foi a esposa e rainha consorte de Mohammad Reza Pahlavi, Xá da Pérsia. Conheceram-se na França, na época em que Soraya fazia um curso de boas maneiras em uma escola Suíça. Logo ela recebeu um anel de noivado com um diamante de 22,37 quilates. O casamento

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o

Inferno

Autor:  Dan Brown Tradutor: Fabiano Morais e Fernanda Abreu Editora:  Arqueiro Número de páginas:  448 Ano de Lançamento:  2013 (EUA) Avaliação do Prosa Mágica:   9                               Gênio ou Louco? Você termina a leitura de Inferno e continua sem uma resposta para esta pergunta. Dan Brown nos engana, muito, de uma maneira descarada, sem dó de seu leitor, sem nenhuma piedade por sua alma. O autor passa praticamente metade do livro te enganando. Você se sente traído quando descobre tudo, se sente usado, irritado, revoltado. Que é esse Dan Brown que escreveu Inferno??? Nas primeiras duzentas páginas não parece ser o mesmo que escreveu brilhantemente Símbolo Perdido e Código D’Vince.  Mapa do Inferno. Botticelli. Então, quando você descobre que está sendo enganado, assim como o brilhante Robert Langdon, a sua opinião vai se transformando lentamente, e passa de pura revolta a admiração. É genial a manipulação que Dan Brown consegue fazer c

Seguidores