Pular para o conteúdo principal

Jogos Vorazes

Acabo de assistir o filme Jogos Vorazes e estou impressionada. Tão impressionada com a riqueza da história que pretendo ler o livro. Então, é obvio que vou basear esta resenha no filme.
A história é sensacional, bem amarrada e com referências a fatos históricos marcantes da humanidade. Se você fez sua lição de casa direitinho durante as aulas de história, com certeza irá perceber isso.
Só para situar quem não viu o filme e não conhece o enredo do livro. Em um lugar qualquer, em um tempo não determinado, um povo vive os frutos de uma guerra com a punição de jovens. Há muito tempo, os Distritos (como são chamadas as cidades ao redor da capital) fizeram um levante contra o poder central, o que na época gerou muitas mortes e destruição. Ao final desta guerra, um maluco decidiu que todos os anos seriam realizados os jogos vorazes e que cada distrito mandaria um casal de jovens, sorteados, para lutar e morrer, por que só um poderia ser campeão. O filme começa desta forma, jovens se dirigindo ao sorteio anual. Só que desta vez a jovem sorteada tem uma irmã corajosa, que se oferece no lugar dela. E ai começa uma trama que envolve solidariedade, mortes, traição e outros fatos que não vou contar sob pena de revelar muitos detalhes do enredo.
Feito esta pequena e necessária introdução vamos ao mais importante. A primeira grande sensação é que você está olhando a uma referencia histórica ao massacre dos judeus. Filas de jovens, pálidos, cercados por guardas truculentos, cadastram-se para participar da decisão de quem irá “morrer”, ou seja, quem vai aos jogos naquele ano. O clima nesta cena é de campo de concentração.
Depois o filme reduz a densidade em prol do show. Os jovens (tributos) que vão lutar são apresentados ao público na capital chegando em bigas romanas em meio a uma plateia ensandecida. Aí podemos ver mais uma referência histórica, os cristãos sendo jogados aos leões no Coliseu.
A trama muito bem criada nos faz refletir sobre os conceitos arraigados que ainda permeiam nossas sociedades; sobre os privilégios ou “maldições” que avassalam famílias; sobre o preconceito que ainda perdura sob uma capa de protoliberalidade.
Uma pergunta precisa ser respondida: O que leva o homem a oferecer sacrifício humano ou outro qualquer?
A cena da escolha do tributo nos leva a lembrar dos sacrifícios oferecidos ao longo da civilização humana para aplacar a fúria de deuses enlouquecidos - Maias, Incas, Astecas e até no antigo testamento. Há sempre alguém fazendo barganha com deus para conseguir o que deseja.
Percebe-se também que a sociedade de Jogos Vorazes não possui mobilidade social, e que as classes menos favorecidas acabam sendo a diversão do povo da cidade em uma referência clara aos realitys shows, neste caso com consequências mortíferas.
O filme é ótimo, as sequencias eletrizantes e bem montadas. A atriz que faz o papel principal é perfeita. Na verdade uma forte referência da deusa Diana, a caçadora.
Não precisa nem perguntar ser lerei o livro: Sim, com certeza, Quero ver como a autora Suzanne Collins descreveu as cenas, como é o ritmo que ela emprega nas palavras para dar a emoção que a história provoca.
Ao final, você fica com um sabor de quero mais. Quero saber o que acontece com o homem da barba branca, uma espécie de governador (será uma referência ao Deus que pune e castiga?) destituído do poder e todos aqueles jovens com oportunidade iguais. Mas para isso terei que esperar a leitura dos três livros.
Mais um detalhe. O livro é febre entre os adolescentes e dá para ver claramente por quê.
Não é uma história melosa de amor, apesar da referência a Shakespeare. Mas, quem já foi um adolescente sabe das batalhas mortíferas que travamos conosco mesmo para nos transformarmos em alguém que possamos reconhecer. Sabe da luta para ganhar um espaço, que mais tarde descobrimos que nunca será totalmente nosso. Sabe que naqueles tempos a visão ingênua do mundo foi assassinada pela verdade, pelo real estado de coisas. Se você foi adolescente tem a noção da guerra interna que cada um passa neste período da vida.
Se você esqueceu disso tudo, tente lembrar.
A lembrança é o primeiro passo para destruir o preconceito.
Eu recomendo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A princesa dos olhos tristes

Se vocês me permitem um pequeno comentário intimo, há uma “mania” na família de minha mãe de colocar nome de princesas nas filhas. Naturalmente começou com a minha, que me batizou de Soraya (em homenagem a princesa da Pérsia, Soraya Esfandiary Bakhtiari), depois minha prima batizou sua filha de Caroline (Homenagem a filha da belíssima Grace Kelly, rainha de Mônaco) e alguns anos depois, meus tios colocaram o nome de Anne (princesa da Grã Bretanha), em minha prima. Então é fácil imaginar que vivemos em clima de “família real” boa parte de nossa infância e adolescência. Mas, de todas as histórias reais, a que mais me intriga e fascina é a da princesa da Pérsia, por ter sido uma história de amor com final infeliz, mas não trágico. Soraya foi a esposa e rainha consorte de Mohammad Reza Pahlavi, Xá da Pérsia. Conheceram-se na França, na época em que Soraya fazia um curso de boas maneiras em uma escola Suíça. Logo ela recebeu um anel de noivado com um diamante de 22,37 quilates. O casamento

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o

Inferno

Autor:  Dan Brown Tradutor: Fabiano Morais e Fernanda Abreu Editora:  Arqueiro Número de páginas:  448 Ano de Lançamento:  2013 (EUA) Avaliação do Prosa Mágica:   9                               Gênio ou Louco? Você termina a leitura de Inferno e continua sem uma resposta para esta pergunta. Dan Brown nos engana, muito, de uma maneira descarada, sem dó de seu leitor, sem nenhuma piedade por sua alma. O autor passa praticamente metade do livro te enganando. Você se sente traído quando descobre tudo, se sente usado, irritado, revoltado. Que é esse Dan Brown que escreveu Inferno??? Nas primeiras duzentas páginas não parece ser o mesmo que escreveu brilhantemente Símbolo Perdido e Código D’Vince.  Mapa do Inferno. Botticelli. Então, quando você descobre que está sendo enganado, assim como o brilhante Robert Langdon, a sua opinião vai se transformando lentamente, e passa de pura revolta a admiração. É genial a manipulação que Dan Brown consegue fazer c

Seguidores