Pular para o conteúdo principal

A Biblioteca do Papai

Esta semana eu solicito uma licença especial aos meus queridos leitores para fazer uma homenagem literária a alguém que é de suma importância para minha existência neste planeta: - Meu pai. Foi ele quem me ensinou desde criança a gostar de ler, amar os livros com paixão. Eu me lembro da biblioteca dele naquela época: Coleção de Sherlock Holmes  completa, era uns livros vermelhos de capa dura, bonitos, bem acabados, que ele mesmo encadernou quando era gráfico na Melhoramentos. Pena que ele tenha se desfeito dela. Um dia farei uma caçada por sebos para readquiri-los. Além deles havia uma coleção de Monteiro Lobato para adultos e outra, chamada coleção Saraiva, livros que eu e meu irmão éramos terminantemente proibidos de pegar, e como tudo o que é proibido furtávamos escondido da velha estante de madeira com vidros, quando ele e minha mãe estavam distraídos: - O Fantasma de Canterville era o nosso predileto.
Meu pai tinha uma adoração por ciência e em seus pertences havia dois livros com as maravilhas da ciência naquela época (E. N. Da C. Andrade E Julian Huxley) e outro sobre medicina. Sem contar a história da filosofia, Deuses Túmulos e Sábios (Ambos fazem parte da minha Biblioteca há alguns anos), Livros de Arte Sacra e muitos outros que me deixavam fascinada por aquele mundo invisível que vivia dentro daquelas páginas.
Tinha também Bernard Shaw (A Volta do Matusalém), havia Jorge Amado, Jorge Luis Borges, Eduardo Galeano e um exemplar de Versos Satânicos, do autor Salman Hushdie que eu mesma encomendei para ele assim que soubemos que o livro seria lançado no Brasil.
Quando éramos criança, muito sabiamente meu pai começou a introduzir livros infantis em sua biblioteca, sendo que os preferidos eram “Coleção Completa Monteiro Lobato”, uma coleção de capa dura em tamanho maior que A4, ilustrado, que devorei nas minhas horas de lazer. O outro era uma enciclopédia chamada Disney com 9 volumes que falava sobre a formação do universo, sobre plantas e outros assuntos científicos.
Não consigo me lembrar de cada livro que fez parte da biblioteca dele, muitos efêmeros outros permanentes, mas sei que com o passar dos anos eu comecei a contribuir e presenteá-lo com inúmeros volumes.
Na medida em que a semana for passando vou falar de seus autores  ou livros prediletos, citar trechos assinalados, ou simplesmente deixar que vocês possam se deliciar com nomes, que não são muito procurados, mas representam grande autores.
Não consigo ver uma maneira melhor de homenagear meu pai, senão divulgando a sua extensa leitura ao longo dos 77 anos de sua vida.

Coleção Sherlock Holmes, Editora Melhoramente. (possivelmente publicado em 1956)












Edição de Versos (Versiculos) Satânicos













Volta a Matusalen, de Bernard Shaw. Editora Melhoramentos.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Inferno

Autor:  Dan Brown Tradutor: Fabiano Morais e Fernanda Abreu Editora:  Arqueiro Número de páginas:  448 Ano de Lançamento:  2013 (EUA) Avaliação do Prosa Mágica:   9                               Gênio ou Louco? Você termina a leitura de Inferno e continua sem uma resposta para esta pergunta. Dan Brown nos engana, muito, de uma maneira descarada, sem dó de seu leitor, sem nenhuma piedade por sua alma. O autor passa praticamente metade do livro te enganando. Você se sente traído quando descobre tudo, se sente usado, irritado, revoltado. Que é esse Dan Brown que escreveu Inferno??? Nas primeiras duzentas páginas não parece ser o mesmo que escreveu brilhantemente Símbolo Perdido e Código D’Vince.  Mapa do Inferno. Botticelli. Então, quando você descobre que está sendo enganado, assim como o brilhante Robert Langdon, a sua opinião vai se transformando lentamente, e passa de pura revolta a admiração. É genial a manipulação que Dan Brown consegue fazer c

Tudo vai passar

Diante desta desgraça geral, com tantas mortes no mundo e no Brasil, pode parecer estranho um blog falar de leitura, de romance, de ficção, de sonhos. Pode ter a certeza que não é. Do que é feita a vida, senão de sonhos tornados realidades? O que seria agora, dos milhões de italianos que estão em isolamento total em suas casas se não fosse o sonho, a esperança? - Tudo vai passar. Uma das maneiras mais ricas de se passar um momento como esse é a leitura.   O livro é a porta aberta para o mundo que não podemos caminhar; são os abraços que não podemos dar; são os familiares que não podemos encontrar; são pessoas diferentes com as quais podemos dialogar, mesmo que em um primeiro momento pareça que estamos exercendo um monologo. Você pode optar por dialogar com escritores mais contemporâneos, que nos apresentam uma linguagem atual. Talvez uma conversa regada a saquê com Murakami com “histórias bizarras que gravitam no limite do realismo fantástico” como explica Felipe Massahiro.

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o