Pular para o conteúdo principal

Conversa com Lucinda Riley

Crédito: Paulo Guimarães
Ontem (19/03) estive presente ao evento organizado pela Editora Novo Conceito na Saraiva do Shopping Morumbi. Um bate papo com a escritora Irlandesa Lucinda Riley sobre a qual já escrevi aqui no blog quando resenhei A Casa dasOrquídeas.
A autora respondeu a todas as perguntas dos convidados com muito bom humor e carinho. Ela veio ao Brasil para fazer uma pesquisa para o próximo livro, que será ambientado no país, na época da construção do Cristo Redentor (RJ) e pelo que ela nos contou o trabalho já rendeu bem mais de 200 páginas.
Lucinda nos contou um pouco sobre o seu processo criativo na hora de desenvolver um livro, já que a minha curiosidade não me deixou ficar calada e acabei perguntando sobre o assunto.
Ela nos falou que o processo, no caso do livro que está escrevendo, é relativamente simples. Ela senta já na parte da manhã munida de água, café e todas as anotações de pesquisa e começa a contar a história para um gravador, que ela carinhosamente chama de “Dick”. Este ritual se repete após a taça de vinho do meio dia, e após o chá da tarde – Não se esqueçam de que ela é uma cidadã Britânica! Depois, toda a história que ela conta ao longo do dia vai para as mãos de sua filha, que pacientemente ouve a gravação e transcreve para o computador.
Crédito: Paulo Guimarães
Confesso para vocês que há tempos não ouvia alguém me contar que cria desta forma. (Não tente fazer isso em casa se você não tiver uma filha, irmão ou alguém caridoso que se disponha a ficar horas ouvindo tudo o que você falou ao longo de um dia inteiro de trabalho).
A verdade é que Lucinda Riley é uma autora talentosa, que consegue nos inserir de tal forma nas histórias que escreve, que fica impossível não imaginar que ela viveu nesses lugares por meses e meses. De certa forma ela vive, através das pesquisas que realiza.
Também é impossível não se identificar quando ela nos contou sobre o “apego” que tem com os personagens; com a dificuldade em deixá-los quando o livro termina. Chorar quando um personagem precisa morrer é atestar que eles têm uma vida tão pungente, tão real, tão humana que os torna queridos e amados pelos leitores.
Uma convidada perguntou o porquê dos casamentos nas histórias que Lucinda escreve se transformarem em fracassos? A pergunta surpreendeu a autora, que confessou nunca ter pensado neste assunto.
Foto: Soraya Felix
Depois do bate papo que durou mais de uma hora, a autora autografou todos os livros, marcadores de página e o gracioso brinde preparado pela Editora Novo Conceito. Quando eu digo autografou, não estou falando que ela apenas colocou sua assinatura no papel, mas cada convidado sentou-se a mesa com ela e pode desfrutar de um bate papo particular com direito a fotos. O que ela falou para cada um? Só eles podem contar. No meu caso (não contem para ninguém) Lucinda falou de sua vontade em lançar o livro que está escrevendo primeiramente no Brasil. Será que ela irá conseguir isso? Eu não sei, mas só o fato de ela ter esta intenção nos demonstra o carinho e a paixão que ela declarou ter pelo povo brasileiro.
Estou lendo A Luz através da Janela e depois que acabar conto para vocês.
Crédito: Paulo Guimarães
 Veja também em Saraiva Conteúdo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A princesa dos olhos tristes

Se vocês me permitem um pequeno comentário intimo, há uma “mania” na família de minha mãe de colocar nome de princesas nas filhas. Naturalmente começou com a minha, que me batizou de Soraya (em homenagem a princesa da Pérsia, Soraya Esfandiary Bakhtiari), depois minha prima batizou sua filha de Caroline (Homenagem a filha da belíssima Grace Kelly, rainha de Mônaco) e alguns anos depois, meus tios colocaram o nome de Anne (princesa da Grã Bretanha), em minha prima. Então é fácil imaginar que vivemos em clima de “família real” boa parte de nossa infância e adolescência. Mas, de todas as histórias reais, a que mais me intriga e fascina é a da princesa da Pérsia, por ter sido uma história de amor com final infeliz, mas não trágico. Soraya foi a esposa e rainha consorte de Mohammad Reza Pahlavi, Xá da Pérsia. Conheceram-se na França, na época em que Soraya fazia um curso de boas maneiras em uma escola Suíça. Logo ela recebeu um anel de noivado com um diamante de 22,37 quilates. O casamento

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o

Inferno

Autor:  Dan Brown Tradutor: Fabiano Morais e Fernanda Abreu Editora:  Arqueiro Número de páginas:  448 Ano de Lançamento:  2013 (EUA) Avaliação do Prosa Mágica:   9                               Gênio ou Louco? Você termina a leitura de Inferno e continua sem uma resposta para esta pergunta. Dan Brown nos engana, muito, de uma maneira descarada, sem dó de seu leitor, sem nenhuma piedade por sua alma. O autor passa praticamente metade do livro te enganando. Você se sente traído quando descobre tudo, se sente usado, irritado, revoltado. Que é esse Dan Brown que escreveu Inferno??? Nas primeiras duzentas páginas não parece ser o mesmo que escreveu brilhantemente Símbolo Perdido e Código D’Vince.  Mapa do Inferno. Botticelli. Então, quando você descobre que está sendo enganado, assim como o brilhante Robert Langdon, a sua opinião vai se transformando lentamente, e passa de pura revolta a admiração. É genial a manipulação que Dan Brown consegue fazer c

Seguidores