Pular para o conteúdo principal

Refúgio

Nome do livro: Refúgio
Série: Mickey Bolitar
Nome Original: Shelter
Autor(a): Harlan Coben
Tradução: Fabiano Morais
Páginas: 222
Editora: Arqueiro

Ano: 2012

Eu vou começar a minha resenha falando um pouco do autor. Harlan Coben, escritor norte americano, com uma quantidade considerável de livros publicados no gênero mistério. Como tudo que prima pela quantidade, posso dizer que a qualidade literária de Harlan Coben é lamentável. Texto fácil demais, previsível em excesso, quase infantil. Foi isso, principalmente o que me incomodou muito em Refúgio. Eu precisei de uma força de vontade muito grande para superar as cem primeiras páginas.
Refúgio é escrito sob o ponto de vista de Mickey Bolitar, um adolescente que perdeu o pai em um acidente de carro e a mãe está internada em uma clinica de desintoxicação. Ao morar com o Tio, na antiga casa que pertencia a família de seu pai, Mickey se vê as voltas com uma aventura desencadeada pelo desaparecimento de sua melhor amiga, Ashley. Como se não bastasse, Mickey recebe de uma misteriosa senhora, conhecida como Dona Morcega, a notícia de que seu pai não está morto. E isso, na cabeça do adolescente promove uma série de dúvidas e angústias.
O que incomoda na história é a forma em que foi escrita. Apesar de não ser classificado como romance adolescente, Refúgio pertence a esta categoria, mas sem os refinamentos de uma Stephanie Meyer.
A trama é boa e envolve temas relacionados ao nazismo, a heróis que conseguiram salvar judeus do holocausto e um grupo de pessoas que ajuda a salvar crianças de maus tratos. Talvez por isso, o texto incomode, por tratar tão levianamente assuntos delicados e cheios de significações.
Por favor, não estou condenando o autor. Ele criou uma estória fascinante, mas que fica excessivamente na superfície, não se aprofunda. Falta emoção, que pode ser entrevista em pouquíssimos trechos da trama.
No entanto, Refúgio é um livro que deve ser lido por quem ama a criatividade na literatura, para quem gosta de mistério, por que neste ponto Harlan Coben é bom. É quase impossível descobrir o que vai acontecer.
Refúgio é o primeiro livro da série Mickey Bolitar. O segundo livro, lançado pela Arqueiro chama-se Uma questão de Segundos.
Com certeza Harlan Coben não integra o time de meus autores preferidos, mas quase sempre sou teimosa e leio o livro até o final. Neste caso valeu pela Criatividade.

Fotomontagem: Prosa Mágica

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A princesa dos olhos tristes

Se vocês me permitem um pequeno comentário intimo, há uma “mania” na família de minha mãe de colocar nome de princesas nas filhas. Naturalmente começou com a minha, que me batizou de Soraya (em homenagem a princesa da Pérsia, Soraya Esfandiary Bakhtiari), depois minha prima batizou sua filha de Caroline (Homenagem a filha da belíssima Grace Kelly, rainha de Mônaco) e alguns anos depois, meus tios colocaram o nome de Anne (princesa da Grã Bretanha), em minha prima. Então é fácil imaginar que vivemos em clima de “família real” boa parte de nossa infância e adolescência. Mas, de todas as histórias reais, a que mais me intriga e fascina é a da princesa da Pérsia, por ter sido uma história de amor com final infeliz, mas não trágico. Soraya foi a esposa e rainha consorte de Mohammad Reza Pahlavi, Xá da Pérsia. Conheceram-se na França, na época em que Soraya fazia um curso de boas maneiras em uma escola Suíça. Logo ela recebeu um anel de noivado com um diamante de 22,37 quilates. O casamento

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o

Inferno

Autor:  Dan Brown Tradutor: Fabiano Morais e Fernanda Abreu Editora:  Arqueiro Número de páginas:  448 Ano de Lançamento:  2013 (EUA) Avaliação do Prosa Mágica:   9                               Gênio ou Louco? Você termina a leitura de Inferno e continua sem uma resposta para esta pergunta. Dan Brown nos engana, muito, de uma maneira descarada, sem dó de seu leitor, sem nenhuma piedade por sua alma. O autor passa praticamente metade do livro te enganando. Você se sente traído quando descobre tudo, se sente usado, irritado, revoltado. Que é esse Dan Brown que escreveu Inferno??? Nas primeiras duzentas páginas não parece ser o mesmo que escreveu brilhantemente Símbolo Perdido e Código D’Vince.  Mapa do Inferno. Botticelli. Então, quando você descobre que está sendo enganado, assim como o brilhante Robert Langdon, a sua opinião vai se transformando lentamente, e passa de pura revolta a admiração. É genial a manipulação que Dan Brown consegue fazer c

Seguidores