Pular para o conteúdo principal

Sal

Autor:  Letícia Wierzchowski
Editora: INTRINSECA
Literatura Brasileira
Ano de Lançamento: 2013
Número de páginas: 240
Avaliação Prosa Mágica: 8

Decidi ler Sal, da escritora brasileira Letícia Wierzchowski por dois motivos distintos e interligados. Primeiro por ser obra de uma autora brasileira e segundo, por ser o primeiro livro nacional de ficção lançado pela Intrínseca.
Na verdade confesso que não havia prestado atenção na capa que dizia “autora de A Casa das Sete Mulheres”, uma minissérie apresentada pela Globo a qual me apaixonei.
Sal foi para mim uma descoberta, um presente entre todas as leituras que fiz ao longo deste ano de 2013.
Não é fácil fazer uma sinopse dele, não mesmo,  então eu deixo esta tarefa para outros, mas que já está muito bem feita na orelha do livro.
Sal é feito de lembranças, poesia, dor, tragédias, tristezas, surpresas. O livro é como a constante luz de um farol na ilha longínqua, que a cada par de segundos promove a luz e depois as sombras. É isso mesmo, Sal é feito de luz e sombra, em um pulsar constante.
Letícia Wierzchowski nos presenteia com uma trama repleta de narradores, que nos contam suas histórias e que muitas vezes nos deixam mensagens, como se fossem colocadas em uma garrafa em alto mar para pedir socorro.
Cecília, Ivan, Flora, Orfeu, Lucas, Juliana, Eva, Tibérius. Cada um único e universal.
Eu amei Flora, a menina que mergulhou nos livros e começou a escrever ficção com tal empenho, que suas histórias saíram do papel e aconteceram na vida real. Pena que tudo é muito trágico.
Foi Flora quem trouxe Julius, o intelectual de Cambridge, que foi indiretamente presenteado para o irmão Orfeu, que exatamente como a lenda, se apaixona tão perdidamente que se torna capaz de descer ao seu próprio inferno para resgatar Julius. Só que desta vez Orfeu não pactua com Hades, o desafia.
Quem fez o papel do herói trágico é Tiberius, que sai pelo mundo, de país em país, em busca do irmão. Não haveria melhor imagem para a lenda de Orfeu!
No entanto, Letícia nos desvenda pouco a pouco uma “Penélope” – Cecília – que tece sem parar a história da família enquanto aguarda o retorno de Tiberius, e talvez ele traga seu filho Orfeu.
Nesta fase Letícia aprofunda tanto os sentimentos que a narrativa comove, como se esses personagens fizessem parte de nossas famílias.
A autora fala da saudade e da vida em uma narrativa poética, como se referenciasse Julio Cortazar em O Jogo da Amarelinha.
Confesso que não tentei, mas acredito ser possível ler Sal fazendo um zigue-zague de capítulos, que pode não terminar no último.
Outro fato interessante é a proximidade de La Duiva com  Oedivetnom. Se você se der ao trabalho de inverter o nome da cidade, verá que se trata de Montevideo (Montevidéu). Então eu fiquei me perguntando o porque de ocultar o nome da cidade?
Foto: Isto é Gente
Talvez ela tenha um motivo. Talvez o mesmo motivo que a levou escrever uma narrativa que se oculta e revela de uma forma surpreendente.
Sal é diferente. Não é um livro para qualquer leitor, não mesmo. Para ler Sal é preciso gostar de Cortazar, Neruda, um pouco de narrativa latino-americana das décadas de setenta e oitenta. O leitor precisa gostar de poesia, mas também ser corajoso suficiente para mergulhar fundo nas idiossincrasias que norteiam o ser humano de carne e osso.
É isso! Sal é o que a maresia nos traz e nos corroí, ano a ano, mas também é a pequena lágrima que escorre de nossos olhos quando nos emocionamos.
É difícil falar de Sal e é fácil senti-lo. Somente uma imersão pacienciosa desnudará as belezas deste livro. Portanto, leia sem pressa.
Pode ter certeza, Letícia Wierzchowski já entrou para minha lista de favoritos.


Outras obras da autora
Romances
O Anjo e o Resto de Nós, 1998
Prata do Tempo, 1999
eu@teamo.com.br (com Marcelo Pires), 1999
A Casa das Sete Mulheres, 2002
O Pintor que Escrevia, 2003
Cristal Polonês, 2003
Um Farol no Pampa, 2004
Uma Ponte para Terebin, 2005
De um Grande Amor e uma Perdição Maior Ainda, 2007
Os Aparados, 2009

Livros infantis
O Dragão de Wawel e outras lendas polonesas, 2005
Todas as Coisas querem ser Outras Coisas, 2006
O Menino Paciente, 2007

Era uma Vez um Gato Xadrez, 2008

Comentários

Camila disse…
Olá, Soraya.
Sua resenha foi a mais bonita que li sobre esse livro. Infelizmente não tive uma relação tão bom com "Sal". A leitura foi extremamente cansativa para mim e somente na segunda parte é que as coisas engataram! rs...
Mesmo assim, agora que li sua resenha, muitas coisas se encaixaram para mim!
beijos
Camis
Rejane Araújo disse…
Estou lendo Sal e a sua resenha faz jus à história. Cada capítulo é um mergulho poético que atravessa a leitura com toda uma carga emocional e simbólica. Estou adorando.

Postagens mais visitadas deste blog

Inferno

Autor:  Dan Brown Tradutor: Fabiano Morais e Fernanda Abreu Editora:  Arqueiro Número de páginas:  448 Ano de Lançamento:  2013 (EUA) Avaliação do Prosa Mágica:   9                               Gênio ou Louco? Você termina a leitura de Inferno e continua sem uma resposta para esta pergunta. Dan Brown nos engana, muito, de uma maneira descarada, sem dó de seu leitor, sem nenhuma piedade por sua alma. O autor passa praticamente metade do livro te enganando. Você se sente traído quando descobre tudo, se sente usado, irritado, revoltado. Que é esse Dan Brown que escreveu Inferno??? Nas primeiras duzentas páginas não parece ser o mesmo que escreveu brilhantemente Símbolo Perdido e Código D’Vince.  Mapa do Inferno. Botticelli. Então, quando você descobre que está sendo enganado, assim como o brilhante Robert Langdon, a sua opinião vai se transformando lentamente, e passa de pura revolta a admiração. É genial a manipulação que Dan Brown consegue fazer c

Tudo vai passar

Diante desta desgraça geral, com tantas mortes no mundo e no Brasil, pode parecer estranho um blog falar de leitura, de romance, de ficção, de sonhos. Pode ter a certeza que não é. Do que é feita a vida, senão de sonhos tornados realidades? O que seria agora, dos milhões de italianos que estão em isolamento total em suas casas se não fosse o sonho, a esperança? - Tudo vai passar. Uma das maneiras mais ricas de se passar um momento como esse é a leitura.   O livro é a porta aberta para o mundo que não podemos caminhar; são os abraços que não podemos dar; são os familiares que não podemos encontrar; são pessoas diferentes com as quais podemos dialogar, mesmo que em um primeiro momento pareça que estamos exercendo um monologo. Você pode optar por dialogar com escritores mais contemporâneos, que nos apresentam uma linguagem atual. Talvez uma conversa regada a saquê com Murakami com “histórias bizarras que gravitam no limite do realismo fantástico” como explica Felipe Massahiro.

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o