Pular para o conteúdo principal

Sal

Autor:  Letícia Wierzchowski
Editora: INTRINSECA
Literatura Brasileira
Ano de Lançamento: 2013
Número de páginas: 240
Avaliação Prosa Mágica: 8

Decidi ler Sal, da escritora brasileira Letícia Wierzchowski por dois motivos distintos e interligados. Primeiro por ser obra de uma autora brasileira e segundo, por ser o primeiro livro nacional de ficção lançado pela Intrínseca.
Na verdade confesso que não havia prestado atenção na capa que dizia “autora de A Casa das Sete Mulheres”, uma minissérie apresentada pela Globo a qual me apaixonei.
Sal foi para mim uma descoberta, um presente entre todas as leituras que fiz ao longo deste ano de 2013.
Não é fácil fazer uma sinopse dele, não mesmo,  então eu deixo esta tarefa para outros, mas que já está muito bem feita na orelha do livro.
Sal é feito de lembranças, poesia, dor, tragédias, tristezas, surpresas. O livro é como a constante luz de um farol na ilha longínqua, que a cada par de segundos promove a luz e depois as sombras. É isso mesmo, Sal é feito de luz e sombra, em um pulsar constante.
Letícia Wierzchowski nos presenteia com uma trama repleta de narradores, que nos contam suas histórias e que muitas vezes nos deixam mensagens, como se fossem colocadas em uma garrafa em alto mar para pedir socorro.
Cecília, Ivan, Flora, Orfeu, Lucas, Juliana, Eva, Tibérius. Cada um único e universal.
Eu amei Flora, a menina que mergulhou nos livros e começou a escrever ficção com tal empenho, que suas histórias saíram do papel e aconteceram na vida real. Pena que tudo é muito trágico.
Foi Flora quem trouxe Julius, o intelectual de Cambridge, que foi indiretamente presenteado para o irmão Orfeu, que exatamente como a lenda, se apaixona tão perdidamente que se torna capaz de descer ao seu próprio inferno para resgatar Julius. Só que desta vez Orfeu não pactua com Hades, o desafia.
Quem fez o papel do herói trágico é Tiberius, que sai pelo mundo, de país em país, em busca do irmão. Não haveria melhor imagem para a lenda de Orfeu!
No entanto, Letícia nos desvenda pouco a pouco uma “Penélope” – Cecília – que tece sem parar a história da família enquanto aguarda o retorno de Tiberius, e talvez ele traga seu filho Orfeu.
Nesta fase Letícia aprofunda tanto os sentimentos que a narrativa comove, como se esses personagens fizessem parte de nossas famílias.
A autora fala da saudade e da vida em uma narrativa poética, como se referenciasse Julio Cortazar em O Jogo da Amarelinha.
Confesso que não tentei, mas acredito ser possível ler Sal fazendo um zigue-zague de capítulos, que pode não terminar no último.
Outro fato interessante é a proximidade de La Duiva com  Oedivetnom. Se você se der ao trabalho de inverter o nome da cidade, verá que se trata de Montevideo (Montevidéu). Então eu fiquei me perguntando o porque de ocultar o nome da cidade?
Foto: Isto é Gente
Talvez ela tenha um motivo. Talvez o mesmo motivo que a levou escrever uma narrativa que se oculta e revela de uma forma surpreendente.
Sal é diferente. Não é um livro para qualquer leitor, não mesmo. Para ler Sal é preciso gostar de Cortazar, Neruda, um pouco de narrativa latino-americana das décadas de setenta e oitenta. O leitor precisa gostar de poesia, mas também ser corajoso suficiente para mergulhar fundo nas idiossincrasias que norteiam o ser humano de carne e osso.
É isso! Sal é o que a maresia nos traz e nos corroí, ano a ano, mas também é a pequena lágrima que escorre de nossos olhos quando nos emocionamos.
É difícil falar de Sal e é fácil senti-lo. Somente uma imersão pacienciosa desnudará as belezas deste livro. Portanto, leia sem pressa.
Pode ter certeza, Letícia Wierzchowski já entrou para minha lista de favoritos.


Outras obras da autora
Romances
O Anjo e o Resto de Nós, 1998
Prata do Tempo, 1999
eu@teamo.com.br (com Marcelo Pires), 1999
A Casa das Sete Mulheres, 2002
O Pintor que Escrevia, 2003
Cristal Polonês, 2003
Um Farol no Pampa, 2004
Uma Ponte para Terebin, 2005
De um Grande Amor e uma Perdição Maior Ainda, 2007
Os Aparados, 2009

Livros infantis
O Dragão de Wawel e outras lendas polonesas, 2005
Todas as Coisas querem ser Outras Coisas, 2006
O Menino Paciente, 2007

Era uma Vez um Gato Xadrez, 2008

Comentários

  1. Olá, Soraya.
    Sua resenha foi a mais bonita que li sobre esse livro. Infelizmente não tive uma relação tão bom com "Sal". A leitura foi extremamente cansativa para mim e somente na segunda parte é que as coisas engataram! rs...
    Mesmo assim, agora que li sua resenha, muitas coisas se encaixaram para mim!
    beijos
    Camis

    ResponderExcluir
  2. Estou lendo Sal e a sua resenha faz jus à história. Cada capítulo é um mergulho poético que atravessa a leitura com toda uma carga emocional e simbólica. Estou adorando.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada, seu comentário é muito importante.
- Se quiser que eu faça contato mande um e-mail para prosa.magica@gmail.com
- Eu gosto de responder a todos os comentários. Assine os comentários do blog para ver o seu.

ATENÇÃO: Não publicarei links ou publicidade na área de comentários.
Obrigada pela participação.

Postagens mais visitadas deste blog

A princesa dos olhos tristes

Se vocês me permitem um pequeno comentário intimo, há uma “mania” na família de minha mãe de colocar nome de princesas nas filhas. Naturalmente começou com a minha, que me batizou de Soraya (em homenagem a princesa da Pérsia, Soraya Esfandiary Bakhtiari), depois minha prima batizou sua filha de Caroline (Homenagem a filha da belíssima Grace Kelly, rainha de Mônaco) e alguns anos depois, meus tios colocaram o nome de Anne (princesa da Grã Bretanha), em minha prima. Então é fácil imaginar que vivemos em clima de “família real” boa parte de nossa infância e adolescência. Mas, de todas as histórias reais, a que mais me intriga e fascina é a da princesa da Pérsia, por ter sido uma história de amor com final infeliz, mas não trágico. Soraya foi a esposa e rainha consorte de Mohammad Reza Pahlavi, Xá da Pérsia. Conheceram-se na França, na época em que Soraya fazia um curso de boas maneiras em uma escola Suíça. Logo ela recebeu um anel de noivado com um diamante de 22,37 quilates. O casamento

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o

Inferno

Autor:  Dan Brown Tradutor: Fabiano Morais e Fernanda Abreu Editora:  Arqueiro Número de páginas:  448 Ano de Lançamento:  2013 (EUA) Avaliação do Prosa Mágica:   9                               Gênio ou Louco? Você termina a leitura de Inferno e continua sem uma resposta para esta pergunta. Dan Brown nos engana, muito, de uma maneira descarada, sem dó de seu leitor, sem nenhuma piedade por sua alma. O autor passa praticamente metade do livro te enganando. Você se sente traído quando descobre tudo, se sente usado, irritado, revoltado. Que é esse Dan Brown que escreveu Inferno??? Nas primeiras duzentas páginas não parece ser o mesmo que escreveu brilhantemente Símbolo Perdido e Código D’Vince.  Mapa do Inferno. Botticelli. Então, quando você descobre que está sendo enganado, assim como o brilhante Robert Langdon, a sua opinião vai se transformando lentamente, e passa de pura revolta a admiração. É genial a manipulação que Dan Brown consegue fazer c

Seguidores