Pular para o conteúdo principal

A Biblioteca Perdida do Alquimista

Autor:  Marcello Simoni
Tradutor:    Gilson Cesar C. de Sousa
Editora: Jangada
Ano de Lançamento: 2013
Número de páginas: 368
Avaliação Prosa Mágica: 8

“Sabei todos vós, pesquisadores da sabedoria, que o princípio desta Arte – em virtude da qual muitos pereceram – é um só, e considerado pelos filósofos o mais poderoso e sublime entre os elementos. Os tolos desdenham dele como se fosse a coisa mais vil do mundo. Nós, ao contrário, o veneramos.” Trecho do livro Turba Philosophorum, XV. Citado em A Biblioteca Perdida do Alquimista, pág.9.


Com esta citação começa a primeira parte do grande tratado alquímico criado pelo italiano Marcello Simoni. A Biblioteca Perdida do Alquimista, segundo livro da trilogia criada pelo autor, é um tratado alquímico em forma de ficção.
Marcello trouxe de volta o personagem Ignazio de Toledo e seu filho Uberto, e também o francês Willalme, todos de O Mercador de Livro Malditos, já resenhado neste blog.
Mais uma vez Ignazio se vê as voltas com uma trama política que mescla alquimia e adoração pelo conhecimento. Só que desta vez, ele terá que obrigatoriamente ir em busca da rainha Branca sequestrada pelo conde de Nigredo e de um antigo e poderoso livro de alquimia.
A trama se desenvolve de forma crescente, muitas vezes obrigando o leitor a não largar o livro até que descubra o que acontecerá com um ou outro personagem. Cada capítulo, como uma boa novela, tem principio, meio e fim, deixando sempre “cenas dos próximos capítulos” que nos leva a ler, ler e ler sem parar.
No entanto, A Biblioteca Perdida do Alquimista não é um livro fácil. Precisa de atenção, pois está recheado de referências alquímicas importantíssimas para a trama. De certa forma, Marcello dividiu seu livro nos estágios da alquimia que na trama está representada de duas formas: - A física e a psicológica.
A física é o tema principal propriamente dito, e que não convém ser falado aqui para que a surpresa da história não se revele antes.
A psicológica, que em primeira linha está associada ao próprio Ignazio. Assim, Nigredo, Albedo, Citrinitas e Rubedo se inserem na transformação interior do personagem.
Nigredo é a dissolução, a putrefação, e isso você percebe em Ignazio no principio da trama.
Imagem do Turba Philosophorum
Albedo é a purificação, representa a lua. E você percebe que nosso personagem se modifica, se sensibiliza com o desaparecimento do filho, com o drama das mulheres, as béguines. Neste estágio Ignazio ainda sente dificuldade de mostrar seus sentimentos.
Depois você vê Citronitas, a transmutação dos metais. É o momento em que Ignazio está sempre entre dois opostos e o exemplo maior é quando ele se vê diante da grande biblioteca perdida e do fogo que a consomirá. Alias, este trecho do livro pareceu-me um novo processo alquímico dentro do grande processo que é A Biblioteca Perdida do Alquimista.
E no final, o pensamento dele em relação à família e o abraço fraternal com Willalme, que representam, sem dúvida, o Rubedo, a Pedra Filosofal.
Outro encantamento que Marcello Simoni usa é a mistura de fatos reais com fantasia. A maioria dos personagens existiu mesmo. Padres, rainhas, freis e todas as situações como raptos e tramas políticas podem ser comprovadas em um livro de história. O mesmo acontece com os livros de alquimia citados, inclusive o Turba Philosophorum. Então, com esta carga de verdade, fica impossível não acreditar na trama, não mergulhar no medievo.
Mélusine, de Jean D'arras
1393
A Biblioteca Perdida do Alquimista me surpreendeu, pela maestria e criatividade que a história foi conduzida, mesmo que o final possa ser desvendado muitos capítulos antes.  Eu só vi o tema alquimia ser tratado com tanto conhecimento e força no livro da historiadora da ciência Deborah Harkness.
A Biblioteca Perdida do Alquimista é um livro independente e pode ser lido mesmo que você não conheça O Mercador de Livros Malditos. Mas, se quiser aproveitar melhor a história, lei o primeiro livro antes. Há mais sabor quando se conhece o personagem principal.




Livros do Autor
O Mercador de Livros Malditos
Il labirinto ai confini del mondo (Ainda não traduzido)

Leia mais sobre Alquimia:

Livros com a mesma temática

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Inferno

Autor:  Dan Brown Tradutor: Fabiano Morais e Fernanda Abreu Editora:  Arqueiro Número de páginas:  448 Ano de Lançamento:  2013 (EUA) Avaliação do Prosa Mágica:   9                               Gênio ou Louco? Você termina a leitura de Inferno e continua sem uma resposta para esta pergunta. Dan Brown nos engana, muito, de uma maneira descarada, sem dó de seu leitor, sem nenhuma piedade por sua alma. O autor passa praticamente metade do livro te enganando. Você se sente traído quando descobre tudo, se sente usado, irritado, revoltado. Que é esse Dan Brown que escreveu Inferno??? Nas primeiras duzentas páginas não parece ser o mesmo que escreveu brilhantemente Símbolo Perdido e Código D’Vince.  Mapa do Inferno. Botticelli. Então, quando você descobre que está sendo enganado, assim como o brilhante Robert Langdon, a sua opinião vai se transformando lentamente, e passa de pura revolta a admiração. É genial a manipulação que Dan Brown consegue fazer c

Tudo vai passar

Diante desta desgraça geral, com tantas mortes no mundo e no Brasil, pode parecer estranho um blog falar de leitura, de romance, de ficção, de sonhos. Pode ter a certeza que não é. Do que é feita a vida, senão de sonhos tornados realidades? O que seria agora, dos milhões de italianos que estão em isolamento total em suas casas se não fosse o sonho, a esperança? - Tudo vai passar. Uma das maneiras mais ricas de se passar um momento como esse é a leitura.   O livro é a porta aberta para o mundo que não podemos caminhar; são os abraços que não podemos dar; são os familiares que não podemos encontrar; são pessoas diferentes com as quais podemos dialogar, mesmo que em um primeiro momento pareça que estamos exercendo um monologo. Você pode optar por dialogar com escritores mais contemporâneos, que nos apresentam uma linguagem atual. Talvez uma conversa regada a saquê com Murakami com “histórias bizarras que gravitam no limite do realismo fantástico” como explica Felipe Massahiro.

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o