Pular para o conteúdo principal

The Golem and the Djinni

Autor: Helene Wecker
Literatura Inglesa: Sem traduções
Tradução do Título pelo Prosa Mágica: O Golem e o Gênio
Editora: Harper Collins Publishers
Ano de Lançamento: 2014
Número de páginas: 646 (Em formato Pocket)
Avaliação Prosa Mágica: 


Estou em Londres, em uma deliciosa aventura para aperfeiçoar meu inglês. É claro que um dos primeiros passeios por aqui seria encontrar uma boa livraria. Encontrei muitas, mas na primeira que entrei vi este livro da autora estreante Helene Wercker. Bem, me apaixonei pela trama.
O que me chamou a atenção em primeiro lugar foi o título. Só tinha ouvido falar de Golem na obra da autora Deborah Harkness, e a contracapa deste livro citava exatamente A Descoberta das Bruxas. Era o sinal de que o livro seria bom... foi melhor, explendido.
Mas, para falar sobre ele temos que começar pelas referências culturais. Golem é uma criatura mitológica vinda da Cabala, do Judaísmo. O Gênio vem da tradição dos beduínos no Oriente Médio é tem conexão com o Islamismo. Só por estes fatos eu teria muito a dizer sobre a trama. Duas culturas que foram mescladas em um encontro inusitado. Um golem, uma criatura que não foi criada por Deus, mas pelas mãos do homem e feito de barro (como Adão) e um Gênio, criado por magia. Ambos feitos para servir.
Na trama o Golem foi criado para um judeu que desejava uma companhia. Assim, ele procurou por alguém que fizesse para ele uma mulher que pudesse ser sua companheira. Um homem, conhecedor das artes da Cabala e que fazia mau uso dela, cria para ele uma mulher e lhe dá curiosidade sem limites e inteligência aguçada.
Quando o homem ativa seu golem, em meio ao Oceano Atlântico em uma viagem para os Estados Unidos, ele acaba sofrendo de um ataque de apendicite, e morre deixando seu golem sozinho.
O ser passa então a ouvir os desejos de todos os passageiros do navio, mas sente-se perdido, por que um Golem não tem sentido sem um mestre.
Do outro lado da trama há o Gênio, um ser feito para servir e que irá, junto ao Golem traçar uma trajetória interior que nos levará conceitos de metafísica como o livre-arbítrio; o que acontece quando contamos uma mentira; quais são as consequências que um ato de maldade pode provocar; e qual é a nossa responsabilidade sobre os outros.
Aliás, esta reflexão vem bem a calhar nestes dias em que se cogita a hipótese de um piloto de avião ter cometido suicídio e com isso colocado fim à vida de outras centenas de pessoas. 
É um livro lindo, um conto extraordinário e digno de leitura e reflexão.
Infelizmente ele ainda não foi traduzido para outra língua, já que sua repercussão no mercado editorial é muito recente.
Aqui em Londres você pode encontrar o livro em qualquer livraria. Sempre em destaque, e custa  7,99 Libras. Mas você pode conseguir uma cópia deste livro pela internet no site da Amazon.
Foi uma sorte enorme estar aqui agora. Um presente poder ler esta história antes de se tornar uma febre.
Leia, mesmo que seu inglês não beire a perfeição. O esforço valerá a pena.

Adorei.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Inferno

Autor:  Dan Brown Tradutor: Fabiano Morais e Fernanda Abreu Editora:  Arqueiro Número de páginas:  448 Ano de Lançamento:  2013 (EUA) Avaliação do Prosa Mágica:   9                               Gênio ou Louco? Você termina a leitura de Inferno e continua sem uma resposta para esta pergunta. Dan Brown nos engana, muito, de uma maneira descarada, sem dó de seu leitor, sem nenhuma piedade por sua alma. O autor passa praticamente metade do livro te enganando. Você se sente traído quando descobre tudo, se sente usado, irritado, revoltado. Que é esse Dan Brown que escreveu Inferno??? Nas primeiras duzentas páginas não parece ser o mesmo que escreveu brilhantemente Símbolo Perdido e Código D’Vince.  Mapa do Inferno. Botticelli. Então, quando você descobre que está sendo enganado, assim como o brilhante Robert Langdon, a sua opinião vai se transformando lentamente, e passa de pura revolta a admiração. É genial a manipulação que Dan Brown consegue fazer c

Tudo vai passar

Diante desta desgraça geral, com tantas mortes no mundo e no Brasil, pode parecer estranho um blog falar de leitura, de romance, de ficção, de sonhos. Pode ter a certeza que não é. Do que é feita a vida, senão de sonhos tornados realidades? O que seria agora, dos milhões de italianos que estão em isolamento total em suas casas se não fosse o sonho, a esperança? - Tudo vai passar. Uma das maneiras mais ricas de se passar um momento como esse é a leitura.   O livro é a porta aberta para o mundo que não podemos caminhar; são os abraços que não podemos dar; são os familiares que não podemos encontrar; são pessoas diferentes com as quais podemos dialogar, mesmo que em um primeiro momento pareça que estamos exercendo um monologo. Você pode optar por dialogar com escritores mais contemporâneos, que nos apresentam uma linguagem atual. Talvez uma conversa regada a saquê com Murakami com “histórias bizarras que gravitam no limite do realismo fantástico” como explica Felipe Massahiro.

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o