Pular para o conteúdo principal

Os diários secretos de Charlotte Brontë

Autor: Syrie James
Tradutor: Flávia Neves
Editora: Record
Número de páginas: 528
Ano de Lançamento: 2014
Avaliação do Prosa Mágica:  10


Foi com muita emoção e tristeza que finalizei a leitura de Os Diários secretos de Charlotte Brontë, não só pela beleza do texto, mas pelas personagens reais que, assim como amigos que se vão, deixam saudades.
Charlotte e Emily Brontë são duas escritoras que admiro desde a minha adolescência. Li Jane Eyre e Morro dos Ventos Uivantes com apenas 13 anos de idade, e o brilhantismo e a emoção da trama foram marcos decisivos para que me apaixonasse pela arte de escrever.
Charlotte e Emily são completamente diferentes em sua escrita (há Ane, mas confesso que ainda não li nada da autora). Enquanto Charlotte é dramática e capaz de nos levar as lágrimas em um único parágrafo, Emily nos leva em uma viagem de estranheza, com seus personagens desconcertantes e arredios.
Quando fui apresentada ao livro Os Diários Secretos de Charlotte Brontë, escrito por Syrie James, confesso que hesitei. A autora seria boa o suficiente para retratar esses grandes nomes da literatura inglesa? Conseguiria romancear suas vidas com a mesma graça que as irmãs Brontë?
Biografia de Charlotte Brontë
Não foi preciso ler mais que vinte páginas para constatar a originalidade de Syrie James. Misturando uma extensa pesquisa sobre as escritoras, e mesclando com uma pitada de ficção, Syrie James conseguiu nos contar a vida de Charlotte e suas irmãs no verdadeiro estilo da escrita da época vitoriana.
Passando pela chegada do Sr. Nicholls, pelas primeiras publicações das irmãs, e pela trágica morte de Anne, Emily e  Branwell até seu casamento e morte prematura em 1855.
Impossível resumir em uma única resenha a dramaticidade da história de vida desta escritora. Mas o que toca profundamente é a luta que Charlotte e suas irmãs travam contra o preconceito. Além disso, as dúvidas e incertezas que elas apresentam como escritora é de fácil identificação para quem se dedica ao árduo e mágico oficio de contar histórias.
Vestido de Época
Charlotte é real, não por que existiu de verdade, mas por que nos remete as dificuldades da escrita, as dúvidas e incertezas que nos cercam quando nos dispomos a colocar no papel o que nossa imaginação nos manda fazer.
Quem não teve vergonha de ler um texto em voz alta? Qual autor não tem medo das críticas e muitas vezes se arrepende de ter publicado algo, com medo do que os outros irão pensar dele? Imagine isso nos idos de 1830 e terá uma vaga ideia das emoções que Os diários secretos de Charlotte Brontë irá trazer. O livro é tão delicioso que ao terminar a leitura fiquei com vontade de reler as obras das irmãs Brontë e aprofundar o conhecimento que tenho sobre a vida delas.
Charlotte transformou sua vida repleta de percalços, dores e privações em excelência da arte. E, o retrato mais fiel da autora é sem dúvida Jane Eyre, complementada por Shirley e Villete.
Syrie James conseguiu mais uma vez nos levar por uma viagem através do tempo e da história, e de presente você ainda tem a belíssima capa que nos remete aos padrões e delicadeza da época.

Considero não só um bom livro para a leitura, mas um excelente presente para amigos e amantes da literatura.





Comentários

Camila disse…
Oi, Soraya.
Adorei a sua resenha. Quando comecei a ler seu post, já comecei a ter dúvidas se uma autora seria capaz de escrever tão bem sobre essas irmãs, mas você já respondeu essa pergunta! rs...
Beijos
Camis - Leitora Compulsiva

Postagens mais visitadas deste blog

Inferno

Autor:  Dan Brown Tradutor: Fabiano Morais e Fernanda Abreu Editora:  Arqueiro Número de páginas:  448 Ano de Lançamento:  2013 (EUA) Avaliação do Prosa Mágica:   9                               Gênio ou Louco? Você termina a leitura de Inferno e continua sem uma resposta para esta pergunta. Dan Brown nos engana, muito, de uma maneira descarada, sem dó de seu leitor, sem nenhuma piedade por sua alma. O autor passa praticamente metade do livro te enganando. Você se sente traído quando descobre tudo, se sente usado, irritado, revoltado. Que é esse Dan Brown que escreveu Inferno??? Nas primeiras duzentas páginas não parece ser o mesmo que escreveu brilhantemente Símbolo Perdido e Código D’Vince.  Mapa do Inferno. Botticelli. Então, quando você descobre que está sendo enganado, assim como o brilhante Robert Langdon, a sua opinião vai se transformando lentamente, e passa de pura revolta a admiração. É genial a manipulação que Dan Brown consegue fazer c

Tudo vai passar

Diante desta desgraça geral, com tantas mortes no mundo e no Brasil, pode parecer estranho um blog falar de leitura, de romance, de ficção, de sonhos. Pode ter a certeza que não é. Do que é feita a vida, senão de sonhos tornados realidades? O que seria agora, dos milhões de italianos que estão em isolamento total em suas casas se não fosse o sonho, a esperança? - Tudo vai passar. Uma das maneiras mais ricas de se passar um momento como esse é a leitura.   O livro é a porta aberta para o mundo que não podemos caminhar; são os abraços que não podemos dar; são os familiares que não podemos encontrar; são pessoas diferentes com as quais podemos dialogar, mesmo que em um primeiro momento pareça que estamos exercendo um monologo. Você pode optar por dialogar com escritores mais contemporâneos, que nos apresentam uma linguagem atual. Talvez uma conversa regada a saquê com Murakami com “histórias bizarras que gravitam no limite do realismo fantástico” como explica Felipe Massahiro.

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o