Pular para o conteúdo principal

Uma pitada de "A Torre Partida"


Capa internacional do livro A Torre Partida.
Não será necessariamente a capa da edição nacional, mas
com certeza será tão boa quanto a capa do livro 1.
Recentemente eu tive o privilégio de ler “A Torre Partida”, de J. Barton Mitchell, futuro lançamento da Editora Jangada e confesso que fiquei encantada.
Só para relembrar. A Torre Partida é o segundo volume da Saga da Terra Conquistada, cujo primeiro livro A Cidade da Meia Noite eu comentei aqui no Blog. Eu posso dizer aos amigos que o segundo livro é bem mais eletrizante, com uma profundidade mais estudada e com eventos físicos que nos remetem a magia, misturada a distopia, mas com muitas discussões que pertencem ao ramo da filosofia da física. Sem contar que você não consegue parar de ler.
Não vejo a hora que o livro chegue as livrarias para que eu possa finalmente publicar a resenha que fiz para ele. A Torre Partida é uma das pequenas joias que li este ano, e por isso mesmo resolvi antecipar um pouquinho para vocês. Vale a pena esperar.
Enquanto ele não chega, que tal reler A Cidade da Meia Noite e dar uma volta no site de J. Barton Mitchell. A capa que estou compartilhando com vocês não será necessariamente a capa da edição brasileira, mas é só para dar um “gostinho” de quero rápido.

Neste final de novembro e no mês de dezembro o Prosa Mágica vai trazer algumas surpresas para vocês. Presentinho de final de ano antecipado.

Créditos: Imagem do site do autor J. Barton Mitchell

Comentários

Camila disse…
Olha só que bacana, Soraya!!
Leitura em primeira mão, hein?!
Beijos
Camis - Leitora Compulsiva

Postagens mais visitadas deste blog

Inferno

Autor:  Dan Brown Tradutor: Fabiano Morais e Fernanda Abreu Editora:  Arqueiro Número de páginas:  448 Ano de Lançamento:  2013 (EUA) Avaliação do Prosa Mágica:   9                               Gênio ou Louco? Você termina a leitura de Inferno e continua sem uma resposta para esta pergunta. Dan Brown nos engana, muito, de uma maneira descarada, sem dó de seu leitor, sem nenhuma piedade por sua alma. O autor passa praticamente metade do livro te enganando. Você se sente traído quando descobre tudo, se sente usado, irritado, revoltado. Que é esse Dan Brown que escreveu Inferno??? Nas primeiras duzentas páginas não parece ser o mesmo que escreveu brilhantemente Símbolo Perdido e Código D’Vince.  Mapa do Inferno. Botticelli. Então, quando você descobre que está sendo enganado, assim como o brilhante Robert Langdon, a sua opinião vai se transformando lentamente, e passa de pura revolta a admiração. É genial a manipulação que Dan Brown consegue fazer c

Tudo vai passar

Diante desta desgraça geral, com tantas mortes no mundo e no Brasil, pode parecer estranho um blog falar de leitura, de romance, de ficção, de sonhos. Pode ter a certeza que não é. Do que é feita a vida, senão de sonhos tornados realidades? O que seria agora, dos milhões de italianos que estão em isolamento total em suas casas se não fosse o sonho, a esperança? - Tudo vai passar. Uma das maneiras mais ricas de se passar um momento como esse é a leitura.   O livro é a porta aberta para o mundo que não podemos caminhar; são os abraços que não podemos dar; são os familiares que não podemos encontrar; são pessoas diferentes com as quais podemos dialogar, mesmo que em um primeiro momento pareça que estamos exercendo um monologo. Você pode optar por dialogar com escritores mais contemporâneos, que nos apresentam uma linguagem atual. Talvez uma conversa regada a saquê com Murakami com “histórias bizarras que gravitam no limite do realismo fantástico” como explica Felipe Massahiro.

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o