Pular para o conteúdo principal

Uma pitada de "A Torre Partida"


Capa internacional do livro A Torre Partida.
Não será necessariamente a capa da edição nacional, mas
com certeza será tão boa quanto a capa do livro 1.
Recentemente eu tive o privilégio de ler “A Torre Partida”, de J. Barton Mitchell, futuro lançamento da Editora Jangada e confesso que fiquei encantada.
Só para relembrar. A Torre Partida é o segundo volume da Saga da Terra Conquistada, cujo primeiro livro A Cidade da Meia Noite eu comentei aqui no Blog. Eu posso dizer aos amigos que o segundo livro é bem mais eletrizante, com uma profundidade mais estudada e com eventos físicos que nos remetem a magia, misturada a distopia, mas com muitas discussões que pertencem ao ramo da filosofia da física. Sem contar que você não consegue parar de ler.
Não vejo a hora que o livro chegue as livrarias para que eu possa finalmente publicar a resenha que fiz para ele. A Torre Partida é uma das pequenas joias que li este ano, e por isso mesmo resolvi antecipar um pouquinho para vocês. Vale a pena esperar.
Enquanto ele não chega, que tal reler A Cidade da Meia Noite e dar uma volta no site de J. Barton Mitchell. A capa que estou compartilhando com vocês não será necessariamente a capa da edição brasileira, mas é só para dar um “gostinho” de quero rápido.

Neste final de novembro e no mês de dezembro o Prosa Mágica vai trazer algumas surpresas para vocês. Presentinho de final de ano antecipado.

Créditos: Imagem do site do autor J. Barton Mitchell

Comentários

  1. Olha só que bacana, Soraya!!
    Leitura em primeira mão, hein?!
    Beijos
    Camis - Leitora Compulsiva

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada, seu comentário é muito importante.
- Se quiser que eu faça contato mande um e-mail para prosa.magica@gmail.com
- Eu gosto de responder a todos os comentários. Assine os comentários do blog para ver o seu.

ATENÇÃO: Não publicarei links ou publicidade na área de comentários.
Obrigada pela participação.

Postagens mais visitadas deste blog

A princesa dos olhos tristes

Se vocês me permitem um pequeno comentário intimo, há uma “mania” na família de minha mãe de colocar nome de princesas nas filhas. Naturalmente começou com a minha, que me batizou de Soraya (em homenagem a princesa da Pérsia, Soraya Esfandiary Bakhtiari), depois minha prima batizou sua filha de Caroline (Homenagem a filha da belíssima Grace Kelly, rainha de Mônaco) e alguns anos depois, meus tios colocaram o nome de Anne (princesa da Grã Bretanha), em minha prima. Então é fácil imaginar que vivemos em clima de “família real” boa parte de nossa infância e adolescência. Mas, de todas as histórias reais, a que mais me intriga e fascina é a da princesa da Pérsia, por ter sido uma história de amor com final infeliz, mas não trágico. Soraya foi a esposa e rainha consorte de Mohammad Reza Pahlavi, Xá da Pérsia. Conheceram-se na França, na época em que Soraya fazia um curso de boas maneiras em uma escola Suíça. Logo ela recebeu um anel de noivado com um diamante de 22,37 quilates. O casamento

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o

Inferno

Autor:  Dan Brown Tradutor: Fabiano Morais e Fernanda Abreu Editora:  Arqueiro Número de páginas:  448 Ano de Lançamento:  2013 (EUA) Avaliação do Prosa Mágica:   9                               Gênio ou Louco? Você termina a leitura de Inferno e continua sem uma resposta para esta pergunta. Dan Brown nos engana, muito, de uma maneira descarada, sem dó de seu leitor, sem nenhuma piedade por sua alma. O autor passa praticamente metade do livro te enganando. Você se sente traído quando descobre tudo, se sente usado, irritado, revoltado. Que é esse Dan Brown que escreveu Inferno??? Nas primeiras duzentas páginas não parece ser o mesmo que escreveu brilhantemente Símbolo Perdido e Código D’Vince.  Mapa do Inferno. Botticelli. Então, quando você descobre que está sendo enganado, assim como o brilhante Robert Langdon, a sua opinião vai se transformando lentamente, e passa de pura revolta a admiração. É genial a manipulação que Dan Brown consegue fazer c

Seguidores