Pular para o conteúdo principal

Aprendi com Jane Austen

Autor: William Deresiewicz
Tradutor: André Pereira da Costa
Editora: Rocco
Número de páginas: 256
Ano de Lançamento Brasil: 2011
Avaliação do Prosa Mágica:  6

A vida é mesmo assim. Um dia você lê um livro muito bom e no outro um ruim. Foi o sentimento que me proporcionou a leitura de Aprendi com Jane Austen, de William Deresiewicz.
O autor conta a sua trajetória ao ler os romances de Jane Austen, é como ela mudou sua vida ensinando coisas básicas como amor, amizade, humildade e coisas que se deveria aprender na primeira infância.
William era daquelas pessoas bem chatas, que só adorava literatura que ele acreditava que o fizesse pensar e se deleitar com malabarismos da palavra, mas um dia, obrigada pelo professor da pós graduação, ele começou a entender a profundidade e a beleza que existe em Jane Austen como: - o cotidiano normal das pessoas; o crescimento interior; as mudanças e inconstância de nossos pensamento e o poder do amor.
Até este ponto, o livro seria algo bem interessante se tratado de um ponto de vista um pouco mais técnico, mas não, William deu um tom de auto ajuda, o que é profundamente irritante ainda mais para quem conhece a obra da autora dá uma sensação que ele está literalmente “chovendo no molhado”.
Se você nunca leu nada de Jane Austen e tem paciência para livros de autoajuda, vale a pena a leitura. Ele fala um pouco de cada livro, cita trechos inteiros e destrincha cada um deles com maestria. Para quem conhece a obra da autora o livro é irritante.
Vale a pena falar do belíssimo trabalho que a Editora Rocco fez no acabamento, na revisão, na tradução dos trechos dos romances e na belíssima capa. Alias, a Rocco bem que poderia lançar a obra da Jane Austen com esta qualidade.

Se você já leu este livro comente suas impressões, por que as minhas foram muito negativas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A princesa dos olhos tristes

Se vocês me permitem um pequeno comentário intimo, há uma “mania” na família de minha mãe de colocar nome de princesas nas filhas. Naturalmente começou com a minha, que me batizou de Soraya (em homenagem a princesa da Pérsia, Soraya Esfandiary Bakhtiari), depois minha prima batizou sua filha de Caroline (Homenagem a filha da belíssima Grace Kelly, rainha de Mônaco) e alguns anos depois, meus tios colocaram o nome de Anne (princesa da Grã Bretanha), em minha prima. Então é fácil imaginar que vivemos em clima de “família real” boa parte de nossa infância e adolescência. Mas, de todas as histórias reais, a que mais me intriga e fascina é a da princesa da Pérsia, por ter sido uma história de amor com final infeliz, mas não trágico. Soraya foi a esposa e rainha consorte de Mohammad Reza Pahlavi, Xá da Pérsia. Conheceram-se na França, na época em que Soraya fazia um curso de boas maneiras em uma escola Suíça. Logo ela recebeu um anel de noivado com um diamante de 22,37 quilates. O casamento

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o

Inferno

Autor:  Dan Brown Tradutor: Fabiano Morais e Fernanda Abreu Editora:  Arqueiro Número de páginas:  448 Ano de Lançamento:  2013 (EUA) Avaliação do Prosa Mágica:   9                               Gênio ou Louco? Você termina a leitura de Inferno e continua sem uma resposta para esta pergunta. Dan Brown nos engana, muito, de uma maneira descarada, sem dó de seu leitor, sem nenhuma piedade por sua alma. O autor passa praticamente metade do livro te enganando. Você se sente traído quando descobre tudo, se sente usado, irritado, revoltado. Que é esse Dan Brown que escreveu Inferno??? Nas primeiras duzentas páginas não parece ser o mesmo que escreveu brilhantemente Símbolo Perdido e Código D’Vince.  Mapa do Inferno. Botticelli. Então, quando você descobre que está sendo enganado, assim como o brilhante Robert Langdon, a sua opinião vai se transformando lentamente, e passa de pura revolta a admiração. É genial a manipulação que Dan Brown consegue fazer c

Seguidores