Pular para o conteúdo principal

Híbrida

Autor: Mari Scotti
Editora: Novo Século
Selo: Novos Talentos
Número de páginas: 360
Ano de Lançamento: 2013
Avaliação do Prosa Mágica:  9,5


Mais uma autora que me deixa desesperada no final do livro. Eu não esperava por isso.
Híbrida, da escritora brasileira Mari Scotti é genial. Não é simplesmente um romance sobre vampiros, algo “água com açúcar” que “vai na onda” do sucesso de Crepúsculo. A trama é digna de uma autora que sabe o que faz. Sorte minha, pois é o segundo livro sobre vampiros escrito por uma brasileira que me deixa sem fôlego no último ano.
Hibrida é a história de Ellene, uma garota adotada por uma família de lobisomens e que cresceu acreditando que era uma loba também. Mas aos dezessete anos vê sua vida desmoronar.
Ellene também tem sonhos recorrentes com um homem que a assusta, mas ao mesmo tempo parece despertar nela sentimentos que vão além de sua compreensão.
Como pano de fundo há o grupo de vampiros e sua rainha seqüestrada há mais de 100 anos. Há Milosh, um vampiro apaixonado e fiel a sua rainha durante todo este tempo, mas que também sonha com uma menina de cabelos ruivos e conversa com ela através do pensamento e fica cada dia mais confuso com tudo isso.
A trama é complexa, por que te deixa sem pistas concretas para desvendar o segredo que se esconde por traz do desaparecimento da rainha.  Hibrida é uma mistura de romance adolescente, thriller, suspense e fantasia, tudo equilibrado na dose certa.
Eu fico muito feliz quando leio algo assim, um livro que emociona, que faz o leitor viver parte das cenas, que transforma o que é comum, “enlatado” em algo criativo.
Não há grandes delírios literários, não há excessos em Mari Scotti. A sensação que dá ao ler Hibrida é que a autora faz questão que a imaginação do leitor trabalhe e isso é delicioso.
Milosh é um caso a parte. Você tem vontade de conhecê-lo, de saber qual é o segredo que se esconde por trás daquela máscara de galã. O vampiro é um personagem muito humano e por isso difícil de entender. O amor que ele carrega por Elizabeth – a rainha desaparecida – é tão grande que Milosh parece um príncipe.
Heidi é alguém que se pode amar e odiar. Eu não gostei dela – não mesmo – Mari a apresenta como um personagem fugidio, alguém que se camufla e nunca  mostra quem realmente é.
Gostei do toque de feitiçaria na trama e dos poderes especiais dos vampiros. São bem mais consistentes que os dons de Alice e Edward em Crepúsculo.
Agora vou contar um fato terrível. Mari Scotti não tem dó do leitor, não mesmo. Ela montou um vai e vem maluco dos personagens. Ora você lê sobre Ellene, e seu coração vai acelerando até o ápice, então a autora muda de personagem e te deixa sem saber o que vai acontecer. Então você pacientemente acompanha a história do outro personagem que irá ficar sem final novamente. É fantástico... é enlouquecedor.
Com certeza a Novo Século tem que colocar uma tarja na capa do livro dizendo: “Proibido para pessoas cardíacas”. J
Enfim, Hibrida é leitura imperdível. Com certeza.
O que me deixa muito feliz é que a literatura brasileira vem cada dia melhorando. Cada dia mais autoras (Principalmente) escrevem histórias dignas da boa literatura britânica. Percebo também uma incoerência em tudo isso. As autoras que mais “fazem fama”, algumas até estão com seus livros vendendo em língua estrangeira, não são as melhores. As boas autoras, engajadas com um texto universal – sem regionalismos - estão espalhadas por sites de auto-publicação e algumas editoras “generosas” que aprenderam a olhar para o futuro. A Novo Século é uma delas.
Mari Scotti tem um futuro grandioso pela frente. A continuação de Hibrida sairá ainda este ano, e a segunda edição de Hibrida logo logo estará nas livrarias.
Estou aguardando com ansiedade.


Comentários

  1. So, obrigada pelo capricho na resenha e por tantos elogios! Você é uma querida e fiquei muito feliz em saber que gostou da trama.
    Eu sou má, não posso negar, adoro deixar todos roendo as unhas de curiosidade, ansiedade, desespero e mais AUHAUH.
    Beijão, sucesso!
    Mari Scotti

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada, seu comentário é muito importante.
- Se quiser que eu faça contato mande um e-mail para prosa.magica@gmail.com
- Eu gosto de responder a todos os comentários. Assine os comentários do blog para ver o seu.

ATENÇÃO: Não publicarei links ou publicidade na área de comentários.
Obrigada pela participação.

Postagens mais visitadas deste blog

A princesa dos olhos tristes

Se vocês me permitem um pequeno comentário intimo, há uma “mania” na família de minha mãe de colocar nome de princesas nas filhas. Naturalmente começou com a minha, que me batizou de Soraya (em homenagem a princesa da Pérsia, Soraya Esfandiary Bakhtiari), depois minha prima batizou sua filha de Caroline (Homenagem a filha da belíssima Grace Kelly, rainha de Mônaco) e alguns anos depois, meus tios colocaram o nome de Anne (princesa da Grã Bretanha), em minha prima. Então é fácil imaginar que vivemos em clima de “família real” boa parte de nossa infância e adolescência. Mas, de todas as histórias reais, a que mais me intriga e fascina é a da princesa da Pérsia, por ter sido uma história de amor com final infeliz, mas não trágico. Soraya foi a esposa e rainha consorte de Mohammad Reza Pahlavi, Xá da Pérsia. Conheceram-se na França, na época em que Soraya fazia um curso de boas maneiras em uma escola Suíça. Logo ela recebeu um anel de noivado com um diamante de 22,37 quilates. O casamento

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o

Inferno

Autor:  Dan Brown Tradutor: Fabiano Morais e Fernanda Abreu Editora:  Arqueiro Número de páginas:  448 Ano de Lançamento:  2013 (EUA) Avaliação do Prosa Mágica:   9                               Gênio ou Louco? Você termina a leitura de Inferno e continua sem uma resposta para esta pergunta. Dan Brown nos engana, muito, de uma maneira descarada, sem dó de seu leitor, sem nenhuma piedade por sua alma. O autor passa praticamente metade do livro te enganando. Você se sente traído quando descobre tudo, se sente usado, irritado, revoltado. Que é esse Dan Brown que escreveu Inferno??? Nas primeiras duzentas páginas não parece ser o mesmo que escreveu brilhantemente Símbolo Perdido e Código D’Vince.  Mapa do Inferno. Botticelli. Então, quando você descobre que está sendo enganado, assim como o brilhante Robert Langdon, a sua opinião vai se transformando lentamente, e passa de pura revolta a admiração. É genial a manipulação que Dan Brown consegue fazer c

Seguidores