Pular para o conteúdo principal

O Clube do Livro do Fim da Vida

Autor: Will Schwalbe
Tradutor: Rafael Mantovani
Editora: Objetiva
Número de páginas: 396
Ano de Lançamento: 2012 (EUA)
Avaliação do Prosa Mágica:  10
                             

Peço licença aos meus leitores para extrapolar nas minhas analises e fazer da resenha de O Clube do Livro do Fim da Vida, muito mais um bate papo que uma resenha propriamente dita.
Penso em Will Schwalbe como uma pessoa privilegiada e ao mesmo tempo de uma sensibilidade incomum. Escrever um livro sobre a própria mãe lutando contra um câncer sem cura, falar de livros e literatura e transformar tudo isso em uma história que prenda o leitor, não é uma tarefa fácil.
O que dizer de um livro que trata da verdade? Que biografa uma mulher genial. Que lutou e defendeu refugiados, pessoas frágeis e desprotegidas, e que ao mesmo tempo cuidava da família, gostava de arte, lia como uma devoradora e demonstrou uma força sem limites ao lutar contra uma doença cruel.
Mary Ann é a personagem principal, mas Will é um condutor tão generoso e tão hábil que nos deixa penetrar em sua mente e processar todo o amadurecimento que é necessário para aceitar a morte próxima de um ente mais que querido.
A cada comentário, a cada livro, uma nova lição de vida. São momentos de uma intimidade profunda que ele compartilhou conosco, e que poderá com certeza ajudar muitas pessoas que estão passando pelo mesmo problema.
Mary nos ensina a ser fortes, a lutar pela vida, a acreditar que tudo pode ser melhor do que enxergamos. Sua visão da literatura era fascinante. Ela parece sempre encontrar algo de positivo na trama, ou por que realmente o autor desejou passar esta informação, ou pelo simples fato de que por traz daquelas páginas há um ser humano que dedicou horas de sua vida escrevendo aquele livro, e que só por isso merece ser respeitado.
Seus comentários sobre Londres são poéticos, e confesso que fiquei emocionada já que compartilho completamente desta visão.
Mary-Anne Schwalbe
Se apenas isso não for o suficiente para que você se interesse pelo livro. O Clube do Livro do Fim da Vida é um guia de leitura. Há dicas de leitura para pelo menos dois anos de trabalho prazeroso.
Vou citar apenas algumas, já que a maioria não tem tradução para o português. Uma delas é o livro de Alan Bennett (Uma real leitora), no Brasil editado pelo Rocco: John Updike (São vários os títulos; Stieg Larsson (Os homens que não amavam as mulheres), um livro que confesso já ter pegado nas mãos diversas vezes e devolvido a prateleira da livraria, mas que agora está na minha lista de futuras leituras.
Enfim, muitas vezes ficamos tão ávidos em ler fantasia que os bons livros biográficos acabam ficando em último plano. Alguns autores, no entanto, com todo o seu talento nos deixa conhecer e penetrar na vida de pessoas que valem a pena conhecer.

Li este livro e recomendo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A princesa dos olhos tristes

Se vocês me permitem um pequeno comentário intimo, há uma “mania” na família de minha mãe de colocar nome de princesas nas filhas. Naturalmente começou com a minha, que me batizou de Soraya (em homenagem a princesa da Pérsia, Soraya Esfandiary Bakhtiari), depois minha prima batizou sua filha de Caroline (Homenagem a filha da belíssima Grace Kelly, rainha de Mônaco) e alguns anos depois, meus tios colocaram o nome de Anne (princesa da Grã Bretanha), em minha prima. Então é fácil imaginar que vivemos em clima de “família real” boa parte de nossa infância e adolescência. Mas, de todas as histórias reais, a que mais me intriga e fascina é a da princesa da Pérsia, por ter sido uma história de amor com final infeliz, mas não trágico. Soraya foi a esposa e rainha consorte de Mohammad Reza Pahlavi, Xá da Pérsia. Conheceram-se na França, na época em que Soraya fazia um curso de boas maneiras em uma escola Suíça. Logo ela recebeu um anel de noivado com um diamante de 22,37 quilates. O casamento

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o

Inferno

Autor:  Dan Brown Tradutor: Fabiano Morais e Fernanda Abreu Editora:  Arqueiro Número de páginas:  448 Ano de Lançamento:  2013 (EUA) Avaliação do Prosa Mágica:   9                               Gênio ou Louco? Você termina a leitura de Inferno e continua sem uma resposta para esta pergunta. Dan Brown nos engana, muito, de uma maneira descarada, sem dó de seu leitor, sem nenhuma piedade por sua alma. O autor passa praticamente metade do livro te enganando. Você se sente traído quando descobre tudo, se sente usado, irritado, revoltado. Que é esse Dan Brown que escreveu Inferno??? Nas primeiras duzentas páginas não parece ser o mesmo que escreveu brilhantemente Símbolo Perdido e Código D’Vince.  Mapa do Inferno. Botticelli. Então, quando você descobre que está sendo enganado, assim como o brilhante Robert Langdon, a sua opinião vai se transformando lentamente, e passa de pura revolta a admiração. É genial a manipulação que Dan Brown consegue fazer c

Seguidores