Pular para o conteúdo principal

O Fantástico Mundo Britânico

Alice - Lewis Caroll
Não é segredo para ninguém que sou apaixonada pela cultura Britânica, em especial pela literatura. Ter a oportunidade de vivenciar uma experiência lúdica relacionada a esta cultura é algo que está além das expectativas.
A “Cultura Inglesa”, que faz neste ano a 19º edição do “Cultura Inglesa Festival” trouxe ao público, no Centro Cultural São Paulo uma exposição de tirar o fôlego. E explico o por quê.
Cada livro é uma porta que nos transporta para uma realidade diferenciada. Na leitura, somos absorvidos pela trama e durante o período em que não desgrudamos os olhos da história, vivemos um mundo paralelo a realidade cotidiana. Isso é um fato, que pode ser comprovado na prática sempre que você lê uma boa trama.
Na exposição foram criadas cabines com portas. Cada porta representa a entrada para uma história da literatura inglesa, e lá você tem uma sensação em 3D do que vive quando lê.
Tem a porta de “A Fantástica Fábrica de Chocolate” do escritor galês Roald Dahl, escrito em 1964, que nos apresenta um jogo de espelhos e projeção de doces que nos tira literalmente o chão. Você se sente em um elevador em movimento. A cabine cheira chocolate e, a trilha sonora é a famosa musica do filme que leva o mesmo nome.
Fantástica Fabrica de Chocolate
A porta de “Alice”, de Lewis Caroll nos leva a uma espécie de quadrado de cartas. Tem cartas que podem ser viradas e lá você encontra textos sobre a obra ou um vídeo com os filmes que já foram feitos sobre a obra.
Em Harry Potter, que não poderia faltar, você entra na experiência do Espelho de Ojesed. A cabine tem um espelho de fundo e uma roupa de aluno de Hogwarts. É só chegar, encaixar a cabeça e ver seu desejo realizado de entrar para a famosa escola de bruxaria.
Tem a porta de Tolkien, mais sério e compenetrado. A trilha sonora é um poema declamado pelo próprio autor.
Gostei da porta que nos leva ao mundo gótico e todo vermelho. Um mundo que fala de Mary Shelley e seu famoso Drácula.
Tem a porta que nos leva a história do rei Arthur, e lá você pode visualizar uma incrível montagem com uma Excalibur em 3 D dançando sobre uma pedra.
Caminhos do fantático
O chão da área de exposição foi transformado em caminhos que nos levam a florestas e frases relacionadas a obra.
Enfim,
A exposição está incrível. O difícil é ir embora sem passar mais uma vez pelas cabines.

Visão interna da cabine de Alice.




Créditos da Exposição
Curadoria - Atelier Marko Brajovic
Produção de Conteúdo - Atelier Marko Brajovic
Projeto Expográfico e Design Gráfico - Atelier Marko Brajovic
Produção Executiva - Edelman Significa 
Produção - Ciça S. D'Carvalho, Alex Koga e Pedro Theme

Comentários

Nilda Maia disse…
Olá, Visitei e adorei o seu blog. Gostei muito dos seus textos e li vários trechos da sua exposição e conteúdo. . Fiquei bem animada e daqui pra frente, estarei sempre por perto vendo as novidades.
Venha conhecer o meu Blog também. Tenho certeza que vai gostar http://www.oslivrosdaminhabiblioteca.blogspot.com.br/
Um grande abraço. NILDA

Postagens mais visitadas deste blog

Inferno

Autor:  Dan Brown Tradutor: Fabiano Morais e Fernanda Abreu Editora:  Arqueiro Número de páginas:  448 Ano de Lançamento:  2013 (EUA) Avaliação do Prosa Mágica:   9                               Gênio ou Louco? Você termina a leitura de Inferno e continua sem uma resposta para esta pergunta. Dan Brown nos engana, muito, de uma maneira descarada, sem dó de seu leitor, sem nenhuma piedade por sua alma. O autor passa praticamente metade do livro te enganando. Você se sente traído quando descobre tudo, se sente usado, irritado, revoltado. Que é esse Dan Brown que escreveu Inferno??? Nas primeiras duzentas páginas não parece ser o mesmo que escreveu brilhantemente Símbolo Perdido e Código D’Vince.  Mapa do Inferno. Botticelli. Então, quando você descobre que está sendo enganado, assim como o brilhante Robert Langdon, a sua opinião vai se transformando lentamente, e passa de pura revolta a admiração. É genial a manipulação que Dan Brown consegue fazer c

Tudo vai passar

Diante desta desgraça geral, com tantas mortes no mundo e no Brasil, pode parecer estranho um blog falar de leitura, de romance, de ficção, de sonhos. Pode ter a certeza que não é. Do que é feita a vida, senão de sonhos tornados realidades? O que seria agora, dos milhões de italianos que estão em isolamento total em suas casas se não fosse o sonho, a esperança? - Tudo vai passar. Uma das maneiras mais ricas de se passar um momento como esse é a leitura.   O livro é a porta aberta para o mundo que não podemos caminhar; são os abraços que não podemos dar; são os familiares que não podemos encontrar; são pessoas diferentes com as quais podemos dialogar, mesmo que em um primeiro momento pareça que estamos exercendo um monologo. Você pode optar por dialogar com escritores mais contemporâneos, que nos apresentam uma linguagem atual. Talvez uma conversa regada a saquê com Murakami com “histórias bizarras que gravitam no limite do realismo fantástico” como explica Felipe Massahiro.

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o