Pular para o conteúdo principal

Querida Sue

Autor:  Jessica Brockmole
Tradutor: Vera Ribeiro
Editora:  Arqueiro
Número de páginas: 256
Ano de Lançamento: 2013
Avaliação do Prosa Mágica:  9
                             

Querido leitor,
Hoje em dia já não se fala mais em troca de correspondência, não da forma habitual que fazíamos antes do e-mail, do WhatsApp e do Skype. As pessoas parecem não ter mais paciência para escrever no papel uma cartinha, envelopá-la e postá-la. Estamos na era da rapidez, o que é bom por um lado, mas por outro suprimiu a poesia de nossas vidas. Pois é, Querida Sue de Jessica Brockmole trata exatamente desta poesia perdida.
Quem tem mais de 35 anos sabe o prazer de se corresponder, de escrever cada linha de uma carta com detalhes e depois, esperar por uma resposta que pode ou não demorar. E, é sobre esta experiência de troca de cartas que a história trata.
Em Querida Sue, a carta de um fã, em 1912, direcionada a sua poetisa na ilha de Skye, no Reino Unido, nos leva a uma viagem pelos desejos, pelos sonhos, pelos segredos mais íntimos que podem habitar a alma de uma escritora do campo e um jovem estudante americano.
As cartas nos falam de sentimentos, de livros, mas também, nos revelam as dores e as angustias causada pelas guerras. A intensa correspondência trocada por Elspeth e Davey é o fio condutor, mas a autora nos presenteou com mais, nos revelou Margareth, filha de Elspeth, que através de correspondências nos conta a sua trajetória em busca de sua origem e da verdadeira vida de sua mãe.
O pano de fundo de Margareth é a II Guerra Mundial.
Ilha de Sky - Cenário do livro. Este lugar foi cenário do filme O Amigo da Noiva.
Querida Sue é comovente, é engraçado e, por horas, reflexivo. Ele nos mostra que a esperança pode sobreviver a tudo, e que o amor é capaz de qualquer coisa, até de nos forçar a vencer nossos piores medos.
Brockmole é quase perfeita. Há um momento na trama em que ela tira da manga uma virada desnecessária na trama. Demasiadamente forçado o motivo da separação que acontece entre os personagens. Fora isso, ela amarrou cada carta “com fios de uma poetiza”.
Querida Sue me empolgou, me encantou e emocionou muito.
O ritmo da trama segue a seqüência de uma troca de cartas. No inicio certa formalidade, depois um aprofundamento e quase sem perceber você está completamente envolvida pela história.
É um bom livro para quem acredita ainda na força do humano, na delicadeza do ser.
Querida Sue me empolgou, me encantou e emocionou muito. É lindo!!!

Ilha de Sky

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A princesa dos olhos tristes

Se vocês me permitem um pequeno comentário intimo, há uma “mania” na família de minha mãe de colocar nome de princesas nas filhas. Naturalmente começou com a minha, que me batizou de Soraya (em homenagem a princesa da Pérsia, Soraya Esfandiary Bakhtiari), depois minha prima batizou sua filha de Caroline (Homenagem a filha da belíssima Grace Kelly, rainha de Mônaco) e alguns anos depois, meus tios colocaram o nome de Anne (princesa da Grã Bretanha), em minha prima. Então é fácil imaginar que vivemos em clima de “família real” boa parte de nossa infância e adolescência. Mas, de todas as histórias reais, a que mais me intriga e fascina é a da princesa da Pérsia, por ter sido uma história de amor com final infeliz, mas não trágico. Soraya foi a esposa e rainha consorte de Mohammad Reza Pahlavi, Xá da Pérsia. Conheceram-se na França, na época em que Soraya fazia um curso de boas maneiras em uma escola Suíça. Logo ela recebeu um anel de noivado com um diamante de 22,37 quilates. O casamento

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o

Inferno

Autor:  Dan Brown Tradutor: Fabiano Morais e Fernanda Abreu Editora:  Arqueiro Número de páginas:  448 Ano de Lançamento:  2013 (EUA) Avaliação do Prosa Mágica:   9                               Gênio ou Louco? Você termina a leitura de Inferno e continua sem uma resposta para esta pergunta. Dan Brown nos engana, muito, de uma maneira descarada, sem dó de seu leitor, sem nenhuma piedade por sua alma. O autor passa praticamente metade do livro te enganando. Você se sente traído quando descobre tudo, se sente usado, irritado, revoltado. Que é esse Dan Brown que escreveu Inferno??? Nas primeiras duzentas páginas não parece ser o mesmo que escreveu brilhantemente Símbolo Perdido e Código D’Vince.  Mapa do Inferno. Botticelli. Então, quando você descobre que está sendo enganado, assim como o brilhante Robert Langdon, a sua opinião vai se transformando lentamente, e passa de pura revolta a admiração. É genial a manipulação que Dan Brown consegue fazer c

Seguidores