Pular para o conteúdo principal

A Sociedade Literária e a torta de casca de batata

Autor:  Mary Amm Shaffer e Annie Barrows
Tradutor: Léa Viveiros de Castro
Editora:  Rocco
Número de páginas: 304
Ano de Lançamento: 2008/2009(Brasil)
Avaliação do Prosa Mágica:  10+
                             

“Sinto muito incomodá-la, mas sentiria ainda mais se não a conhecesse, já que seus textos me tornaram seu amigo.
Esperando não tê-la incomodado, Dawsey Adams “
       
Assim o personagem Dawsey dá o “ponto de partida” para uma história intrigante, emocionante e cheia de seres humanos deliciosos.
Acabei de ler “A Sociedade Literária e a torta de casca de batata”, das autoras MaryAnn Shaffer e Annie Barrows e fiquei extremamente emocionada. A sensibilidade e a forma como foi construída a história só pode ser fruto de mãos e mentes talentosas.
A trama do livro se passa no pós-guerra. A escritora e bem-sucedida Juliet Ashton recebe uma carta de um homem desconhecido e a partir dai se descortina uma série de personagens, que através de cartas, contam suas vidas cotidianas, suas experiências durante a ocupação nazista, e sobre um divertida e intrigante Sociedade Literária na ilha de Guernsey, Reino Unido.
Juliet, com sua habilidade de escritora e seu senso extremo de humanidade, passa a se corresponder e se apaixonar por essas pessoas, até que um desejo incontido de conhecê-las, e quem sabe escrever um novo livro, a leva a ilha e a novas experiências que irão transformá-la.
As autoras foram tão hábeis, que durante a leitura você fica em dúvida se a trama é real ou fictícia. Eu me apaixonei por Juliet, por seu talento, por ser caráter, por suas escolhas. Ela é e vive o que todo escritor gostaria de viver.
O livro inteiro é contato através de cartas, e estas cartas possuem múltiplos narradores e um único fio condutor: - a escritora. Cada personagem é uma surpresa. Sidney, o editor, é a figura do amigo fiel e amoroso. Achei encantadora a forma como ele trata Juliet, e no princípio você chega a desejar que a escritora se apaixone por ele, mas acaba descobrindo que Sidney é homossexual. Que lindo! Que sensibilidade da autora colocar o personagem nesta condição, sem caricaturas, em uma época em que o preconceito era avassalador. Sidney é alegre e otimista, um intelectual para se conversar por horas a fio.  Quem não gostaria de ter um amigo assim?
Dawsey é o ponto de partida e o ponto de chegada. É o homem do campo, simples, que se apaixona por um escritor e esta paixão acaba ampliando, não só os seus horizontes intelectuais, mas a sua vida pessoal.
Ilha de Guermsey
Elizabeth, a mulher que foi capturada pelos nazistas permeia toda a história e parece um fio invisível que liga todos os personagens. Não cheguei a me encantar com ela, por que Elizabeth parece um personagem criado pela própria Juliet. Ela é ficcional demais.
Quando eu digo que livro é cultura, muitas pessoas torcem o nariz. Ficção para elas é algo muito parecido com divertimento banal. Em A Sociedade Literária eu descobri que a Inglaterra evacuou suas crianças para locais seguros. Que isso foi um drama para os pais, e uma afortunada idéia, provavelmente de Churchill, para defender o futuro de seu pais. Como não cair de amores por uma nação que tem visão de futuro e age no hoje?
O livro é original, inteligente, tocante e consegue inserir o leitor em outro mundo do qual você não quer voltar.

Eu recomendo o livro para escritores, criadores e leitores comuns. Para cada um ele trará uma surpresa. Fui afortunada pelo impacto triplo que ele me causou.
Linda esta edição inglesa.

Comentários

Camila disse…
Oi, Soraya.
Logo de cara o título do livro já me intrigou.
Depois vi sua classificação e fiquei ainda mais curiosa.
Achei a ideia central da história bem bacana e anotei a dica.
Infelizmente, tenho trabalho muito e mal sobre tempo para dar conta dos livros de parceria, mas quem sabe um dia! rs...
beijos
Camis - Leitora Compulsiva

Postagens mais visitadas deste blog

Inferno

Autor:  Dan Brown Tradutor: Fabiano Morais e Fernanda Abreu Editora:  Arqueiro Número de páginas:  448 Ano de Lançamento:  2013 (EUA) Avaliação do Prosa Mágica:   9                               Gênio ou Louco? Você termina a leitura de Inferno e continua sem uma resposta para esta pergunta. Dan Brown nos engana, muito, de uma maneira descarada, sem dó de seu leitor, sem nenhuma piedade por sua alma. O autor passa praticamente metade do livro te enganando. Você se sente traído quando descobre tudo, se sente usado, irritado, revoltado. Que é esse Dan Brown que escreveu Inferno??? Nas primeiras duzentas páginas não parece ser o mesmo que escreveu brilhantemente Símbolo Perdido e Código D’Vince.  Mapa do Inferno. Botticelli. Então, quando você descobre que está sendo enganado, assim como o brilhante Robert Langdon, a sua opinião vai se transformando lentamente, e passa de pura revolta a admiração. É genial a manipulação que Dan Brown consegue fazer c

Tudo vai passar

Diante desta desgraça geral, com tantas mortes no mundo e no Brasil, pode parecer estranho um blog falar de leitura, de romance, de ficção, de sonhos. Pode ter a certeza que não é. Do que é feita a vida, senão de sonhos tornados realidades? O que seria agora, dos milhões de italianos que estão em isolamento total em suas casas se não fosse o sonho, a esperança? - Tudo vai passar. Uma das maneiras mais ricas de se passar um momento como esse é a leitura.   O livro é a porta aberta para o mundo que não podemos caminhar; são os abraços que não podemos dar; são os familiares que não podemos encontrar; são pessoas diferentes com as quais podemos dialogar, mesmo que em um primeiro momento pareça que estamos exercendo um monologo. Você pode optar por dialogar com escritores mais contemporâneos, que nos apresentam uma linguagem atual. Talvez uma conversa regada a saquê com Murakami com “histórias bizarras que gravitam no limite do realismo fantástico” como explica Felipe Massahiro.

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o