Pular para o conteúdo principal

A Sociedade Literária e a torta de casca de batata

Autor:  Mary Amm Shaffer e Annie Barrows
Tradutor: Léa Viveiros de Castro
Editora:  Rocco
Número de páginas: 304
Ano de Lançamento: 2008/2009(Brasil)
Avaliação do Prosa Mágica:  10+
                             

“Sinto muito incomodá-la, mas sentiria ainda mais se não a conhecesse, já que seus textos me tornaram seu amigo.
Esperando não tê-la incomodado, Dawsey Adams “
       
Assim o personagem Dawsey dá o “ponto de partida” para uma história intrigante, emocionante e cheia de seres humanos deliciosos.
Acabei de ler “A Sociedade Literária e a torta de casca de batata”, das autoras MaryAnn Shaffer e Annie Barrows e fiquei extremamente emocionada. A sensibilidade e a forma como foi construída a história só pode ser fruto de mãos e mentes talentosas.
A trama do livro se passa no pós-guerra. A escritora e bem-sucedida Juliet Ashton recebe uma carta de um homem desconhecido e a partir dai se descortina uma série de personagens, que através de cartas, contam suas vidas cotidianas, suas experiências durante a ocupação nazista, e sobre um divertida e intrigante Sociedade Literária na ilha de Guernsey, Reino Unido.
Juliet, com sua habilidade de escritora e seu senso extremo de humanidade, passa a se corresponder e se apaixonar por essas pessoas, até que um desejo incontido de conhecê-las, e quem sabe escrever um novo livro, a leva a ilha e a novas experiências que irão transformá-la.
As autoras foram tão hábeis, que durante a leitura você fica em dúvida se a trama é real ou fictícia. Eu me apaixonei por Juliet, por seu talento, por ser caráter, por suas escolhas. Ela é e vive o que todo escritor gostaria de viver.
O livro inteiro é contato através de cartas, e estas cartas possuem múltiplos narradores e um único fio condutor: - a escritora. Cada personagem é uma surpresa. Sidney, o editor, é a figura do amigo fiel e amoroso. Achei encantadora a forma como ele trata Juliet, e no princípio você chega a desejar que a escritora se apaixone por ele, mas acaba descobrindo que Sidney é homossexual. Que lindo! Que sensibilidade da autora colocar o personagem nesta condição, sem caricaturas, em uma época em que o preconceito era avassalador. Sidney é alegre e otimista, um intelectual para se conversar por horas a fio.  Quem não gostaria de ter um amigo assim?
Dawsey é o ponto de partida e o ponto de chegada. É o homem do campo, simples, que se apaixona por um escritor e esta paixão acaba ampliando, não só os seus horizontes intelectuais, mas a sua vida pessoal.
Ilha de Guermsey
Elizabeth, a mulher que foi capturada pelos nazistas permeia toda a história e parece um fio invisível que liga todos os personagens. Não cheguei a me encantar com ela, por que Elizabeth parece um personagem criado pela própria Juliet. Ela é ficcional demais.
Quando eu digo que livro é cultura, muitas pessoas torcem o nariz. Ficção para elas é algo muito parecido com divertimento banal. Em A Sociedade Literária eu descobri que a Inglaterra evacuou suas crianças para locais seguros. Que isso foi um drama para os pais, e uma afortunada idéia, provavelmente de Churchill, para defender o futuro de seu pais. Como não cair de amores por uma nação que tem visão de futuro e age no hoje?
O livro é original, inteligente, tocante e consegue inserir o leitor em outro mundo do qual você não quer voltar.

Eu recomendo o livro para escritores, criadores e leitores comuns. Para cada um ele trará uma surpresa. Fui afortunada pelo impacto triplo que ele me causou.
Linda esta edição inglesa.

Comentários

  1. Oi, Soraya.
    Logo de cara o título do livro já me intrigou.
    Depois vi sua classificação e fiquei ainda mais curiosa.
    Achei a ideia central da história bem bacana e anotei a dica.
    Infelizmente, tenho trabalho muito e mal sobre tempo para dar conta dos livros de parceria, mas quem sabe um dia! rs...
    beijos
    Camis - Leitora Compulsiva

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada, seu comentário é muito importante.
- Se quiser que eu faça contato mande um e-mail para prosa.magica@gmail.com
- Eu gosto de responder a todos os comentários. Assine os comentários do blog para ver o seu.

ATENÇÃO: Não publicarei links ou publicidade na área de comentários.
Obrigada pela participação.

Postagens mais visitadas deste blog

A princesa dos olhos tristes

Se vocês me permitem um pequeno comentário intimo, há uma “mania” na família de minha mãe de colocar nome de princesas nas filhas. Naturalmente começou com a minha, que me batizou de Soraya (em homenagem a princesa da Pérsia, Soraya Esfandiary Bakhtiari), depois minha prima batizou sua filha de Caroline (Homenagem a filha da belíssima Grace Kelly, rainha de Mônaco) e alguns anos depois, meus tios colocaram o nome de Anne (princesa da Grã Bretanha), em minha prima. Então é fácil imaginar que vivemos em clima de “família real” boa parte de nossa infância e adolescência. Mas, de todas as histórias reais, a que mais me intriga e fascina é a da princesa da Pérsia, por ter sido uma história de amor com final infeliz, mas não trágico. Soraya foi a esposa e rainha consorte de Mohammad Reza Pahlavi, Xá da Pérsia. Conheceram-se na França, na época em que Soraya fazia um curso de boas maneiras em uma escola Suíça. Logo ela recebeu um anel de noivado com um diamante de 22,37 quilates. O casamento

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o

Inferno

Autor:  Dan Brown Tradutor: Fabiano Morais e Fernanda Abreu Editora:  Arqueiro Número de páginas:  448 Ano de Lançamento:  2013 (EUA) Avaliação do Prosa Mágica:   9                               Gênio ou Louco? Você termina a leitura de Inferno e continua sem uma resposta para esta pergunta. Dan Brown nos engana, muito, de uma maneira descarada, sem dó de seu leitor, sem nenhuma piedade por sua alma. O autor passa praticamente metade do livro te enganando. Você se sente traído quando descobre tudo, se sente usado, irritado, revoltado. Que é esse Dan Brown que escreveu Inferno??? Nas primeiras duzentas páginas não parece ser o mesmo que escreveu brilhantemente Símbolo Perdido e Código D’Vince.  Mapa do Inferno. Botticelli. Então, quando você descobre que está sendo enganado, assim como o brilhante Robert Langdon, a sua opinião vai se transformando lentamente, e passa de pura revolta a admiração. É genial a manipulação que Dan Brown consegue fazer c

Seguidores