Pular para o conteúdo principal

A mágica da arrumação

Autor:  Marie Kondo
Tradutor: Marcia Oliveira
Editora:  Sextante
Número de páginas: 160
Ano de Lançamento: 2011/2015(Brasil)
Avaliação do Prosa Mágica:  8
                             


Uma pausa na ficção em busca de uma solução para arrumação de tantos livros acumulados na estante de casa, e pasmem, o conselho da autora é “só fique com aqueles que te trazem plena felicidade”. Doce ilusão para quem ama a leitura! No entanto fiquei curiosa e decidi que esta seria a minha leitura não ficcional deste mês.
MarieKondo é japonesa, fanática por arrumação desde criança e um grande sucesso não só em vendas de livros no exterior, como um sucesso em sua profissão; - orientar pessoas em como arrumar suas casas e escritórios.
Quando você ouve falar nisso, fica pensando que o livro é tão chato como um dia de arrumação de armário, mas não é. Marie Kondo é uma coacher em arrumação, o que significa que o método dela não a inclui como a pessoa que irá a ação, mas sim a profissional que irá orientá-la a fazer o serviço.
Ela nos explica em suas páginas que o grande segredo de arrumar está em saber descartar, mas não um descarte qualquer, mas sim um desapego ao que não tem mais significado em sua vida. Segundo ela, você deve pegar um objeto, segurá-lo em suas mãos longe de seu habitat e perguntar: - Isso me traz felicidade? – Se a resposta for não ou talvez, o conselho é – Descarte!
É difícil pensar com o raciocínio de um ocidental sobre este conselho. Parece quase absurdo você olhar para um vestido de festa, que não custa barato, e perceber que o vestido em si não te traz mais felicidade, e mandá-lo embora de sua vida sem pensar no custo financeiro e que talvez, daqui um bom tempo, você possa precisar dele novamente.
Mas, o fato é que nunca precisamos e acabamos acumulando coisas que nunca iremos usar, coisas que bagunçam e poluem o ambiente onde vivemos. E, neste sentido, Marie Kondo é sutil ao sugerir que arrumando o seu exterior, você modifica o seu interior.
O método de arrumação é interessante, mas confesso que cansativo e demorado. Eu testei uma parte dele e você acaba se sentindo como se estivesse em um dia de mudança de casa- um horror.
Por outro lado, olhar para cada coisa – no meu caso roupas. – e perceber que muitas delas estão em nossos armários, simplesmente por que não temos coragem de mandá-las embora, abre espaço para novas perspectivas não só em referência aos objetos, mas a própria circulação em nossas casas.
Poderíamos dizer que Marie Kondo “descobriu a pólvora” se o método não fosse tão simples e obvio. E, como diriam meus professores universitários, “o obvio é o mais difícil de enxergar”.
Vale a pena uma leitura atenta, não só do ponto de vista da arrumação física, mas também uma reflexão da arrumação interior, a que realmente faz a diferença em nossas vidas.
Não é um tratado literário, mas uma boa pausa entre um ficção e outra.


Veja como dobrar suas roupas - Clique aqui.

Comentários

  1. Muito boa resenha! Adorei este livro e me identifiquei bastante com as ideias da autora. É o momento de repensarmos essa lógica maluca de aquisição de excesso de coisas e valorizarmos o que nos faz bem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso mesmo Dora. Consumimos demais e não valorizamos o que realmente importa.
      Obrigada pelo comentário.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigada, seu comentário é muito importante.
- Se quiser que eu faça contato mande um e-mail para prosa.magica@gmail.com
- Eu gosto de responder a todos os comentários. Assine os comentários do blog para ver o seu.

ATENÇÃO: Não publicarei links ou publicidade na área de comentários.
Obrigada pela participação.

Postagens mais visitadas deste blog

A princesa dos olhos tristes

Se vocês me permitem um pequeno comentário intimo, há uma “mania” na família de minha mãe de colocar nome de princesas nas filhas. Naturalmente começou com a minha, que me batizou de Soraya (em homenagem a princesa da Pérsia, Soraya Esfandiary Bakhtiari), depois minha prima batizou sua filha de Caroline (Homenagem a filha da belíssima Grace Kelly, rainha de Mônaco) e alguns anos depois, meus tios colocaram o nome de Anne (princesa da Grã Bretanha), em minha prima. Então é fácil imaginar que vivemos em clima de “família real” boa parte de nossa infância e adolescência. Mas, de todas as histórias reais, a que mais me intriga e fascina é a da princesa da Pérsia, por ter sido uma história de amor com final infeliz, mas não trágico. Soraya foi a esposa e rainha consorte de Mohammad Reza Pahlavi, Xá da Pérsia. Conheceram-se na França, na época em que Soraya fazia um curso de boas maneiras em uma escola Suíça. Logo ela recebeu um anel de noivado com um diamante de 22,37 quilates. O casamento

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o

Inferno

Autor:  Dan Brown Tradutor: Fabiano Morais e Fernanda Abreu Editora:  Arqueiro Número de páginas:  448 Ano de Lançamento:  2013 (EUA) Avaliação do Prosa Mágica:   9                               Gênio ou Louco? Você termina a leitura de Inferno e continua sem uma resposta para esta pergunta. Dan Brown nos engana, muito, de uma maneira descarada, sem dó de seu leitor, sem nenhuma piedade por sua alma. O autor passa praticamente metade do livro te enganando. Você se sente traído quando descobre tudo, se sente usado, irritado, revoltado. Que é esse Dan Brown que escreveu Inferno??? Nas primeiras duzentas páginas não parece ser o mesmo que escreveu brilhantemente Símbolo Perdido e Código D’Vince.  Mapa do Inferno. Botticelli. Então, quando você descobre que está sendo enganado, assim como o brilhante Robert Langdon, a sua opinião vai se transformando lentamente, e passa de pura revolta a admiração. É genial a manipulação que Dan Brown consegue fazer c

Seguidores