Pular para o conteúdo principal

Enigmas de Londres: O Espírito do Tamisa


Autor:  Ben A. Aranovitch
Tradutor: Alexandre Martins
Editora:  Casa da Palavra
Número de páginas: 368
Ano de Lançamento: 2012
Avaliação do Prosa Mágica:  8

Na capa do livro está escrito que O Espírito do Tamisa é o que aconteceria se Harry Potter entrasse para a polícia de Londres. – Não é bem isso que acontece. - Ben A. Aranovitch nos apresenta uma espécie de Sherlock Holmes do sobrenatural.
Só o autor já é um cartão de visitas considerável como indicador da obra. Um dos roteiristas da famosa e longeva série de TV “Doctor Who”, um sucesso tão estrondoso que já soma 26 temporadas, filme e especiais.
Em seu romance de estréia, Ben nos apresenta Peter, um policial londrino novato que está prestes a terminar seu período de treinamento e ser indicado para o posto que mais se adapte com suas capacidades. Trabalho e competência não faltam a ele, mas uma dose de distração o afasta cada vez mais do objetivo desejado: - as ruas da cidade. Só que Peter se depara com algo que mudará sua vida. Um fantasma, que o leva a Thomas Nightingale, um mago que ajuda a polícia a desvendar casos de crimes ligados ao sobrenatural. Deste ponto em diante, a história mescla realidade e fantasia, em uma trama deliciosamente leve.
- O que tem de diferente neste livro?
- Exatamente isso, a dose exata de fantasia e realidade. O paralelo que existe entre o mundo palpável e o mundo imaginário, que em O Espírito do Tamisa vem a tona como um avalanche.
“Rios de Londres”, título original, é o primeiro livro de cinco já publicados pelo autor, e talvez por isso nos apresente um caráter extremante introdutório. É preciso ler até o fim para compreender a criatividade da história.
Fiquei na dúvida se isso se deve ao fato de Enigmas de Londres ser uma série, ou se isso acontece por que o autor vem das “águas” dos seriados de TV, que por terem vários episódios podem se deixar levar ao sabor de alguns devaneios.

Mas a resposta não importa muito. O livro é uma ótima leitura, e principalmente um belo passeio por Londres. Fica a curiosidade em saber o que Peter fará em outras histórias.

Comentários

Unknown disse…
Oi Soraya!
Também fiquei com a mesma dúvida: o primeiro livro é mais introdutório por ser uma série de outros ou é porque o autor tem essa veia de roteirista de TV? Mas não tem problema, porque a história é legal e tem um gostinho de quero mais.
Um belo passeio por Londres...isso já vale o livro.
Camila disse…
Oi, Soraya.
Adorei a proposta do autor e agora fiquei curiosa.
Pena que o livro tem essa frase nada a ver na capa. Acho chato quando o marketing tenta forçar a barra para vender um livro!
Beijos
Camis
SORAYA FELIX disse…
Oi Camila, Vc tem razão em falar sobre a frase da capa. Também não gostei. Mas o livro é realmente bom e acredito que você vá gostar. Mais um para a sua fila de livros a serem lidos.

bjs
Soraya
SORAYA FELIX disse…
Dora, a história é boa mesmo. Estou louca para ler o segundo livro.
SORAYA FELIX disse…
Paulo,
Dá para sentir os lugares, sorver os ares do Tamisa e sentir as mensagens que aqueles prédios antigos nos transmitem. Neste ponto o livro é impecável.

Bjs
Soraya

Postagens mais visitadas deste blog

Inferno

Autor:  Dan Brown Tradutor: Fabiano Morais e Fernanda Abreu Editora:  Arqueiro Número de páginas:  448 Ano de Lançamento:  2013 (EUA) Avaliação do Prosa Mágica:   9                               Gênio ou Louco? Você termina a leitura de Inferno e continua sem uma resposta para esta pergunta. Dan Brown nos engana, muito, de uma maneira descarada, sem dó de seu leitor, sem nenhuma piedade por sua alma. O autor passa praticamente metade do livro te enganando. Você se sente traído quando descobre tudo, se sente usado, irritado, revoltado. Que é esse Dan Brown que escreveu Inferno??? Nas primeiras duzentas páginas não parece ser o mesmo que escreveu brilhantemente Símbolo Perdido e Código D’Vince.  Mapa do Inferno. Botticelli. Então, quando você descobre que está sendo enganado, assim como o brilhante Robert Langdon, a sua opinião vai se transformando lentamente, e passa de pura revolta a admiração. É genial a manipulação que Dan Brown consegue fazer c

Tudo vai passar

Diante desta desgraça geral, com tantas mortes no mundo e no Brasil, pode parecer estranho um blog falar de leitura, de romance, de ficção, de sonhos. Pode ter a certeza que não é. Do que é feita a vida, senão de sonhos tornados realidades? O que seria agora, dos milhões de italianos que estão em isolamento total em suas casas se não fosse o sonho, a esperança? - Tudo vai passar. Uma das maneiras mais ricas de se passar um momento como esse é a leitura.   O livro é a porta aberta para o mundo que não podemos caminhar; são os abraços que não podemos dar; são os familiares que não podemos encontrar; são pessoas diferentes com as quais podemos dialogar, mesmo que em um primeiro momento pareça que estamos exercendo um monologo. Você pode optar por dialogar com escritores mais contemporâneos, que nos apresentam uma linguagem atual. Talvez uma conversa regada a saquê com Murakami com “histórias bizarras que gravitam no limite do realismo fantástico” como explica Felipe Massahiro.

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o