Pular para o conteúdo principal

Agora é a vez do mocinho e a vampira *


Saga Crepúsculo completa dez anos e autora Stephanie Meyer lança livro Vida e Morte para contar a história agora pela ótica de um adolescente

Parece inacreditável saber que a saga Crepúsculo está completando dez anos, mas as somas alcançadas revelam a trajetória de sucesso da escritora Stephanie Meyer, que chegou a ser apontada como a 49ª celebridade mais poderosa do planeta pela revista Forbes. Ao redor do mundo, as vendas dos livros da história do vampiro Edward Cullen e Isabella “Bella” Swan já ultrapassaram as 120 milhões de unidades e as adaptações dos volumes para a tela grande arrecadou em torno de US$ 400 milhões só em bilheteria. Isso sem contar que catapultou a carreira de atores como Robert Pattinson, Kristen Stewart e Taylor Lautner, deu fama a bandas de rock adolescente, assim como transformou o pequeno estúdio Summit em um dos mais importantes da indústria do cinema. E não parou por aí. A autora conseguiu emplacar para a telona o livro A hospedeira, que teve resultados modestos, mas garantiu a continuação de mais uma saga. Meyer também tornou-se produtora de cinema e já no tem currículo outros títulos, como a adaptação do livro Austenlândia (Shannon Hale).
Em diversas entrevistas, a escritora não cansa de repetir que a história surgiu de um sonho estranho com um vampiro. Formada em literatura inglesa pela Brigham Young University, de Utah, Stephanie Meyer dizia ser apenas uma dona de casa, responsável por três filhos, quando decidiu colocar no papel suas primeiras ideias, baseadas em leituras de clássicos de Jane Austen e das irmãs Brönte, sobretudo, “O morro dos ventos uivantes”, de Emily Brönte, citado em Crepúsculo.
“Vida e Morte – Crepúsculo Reimaginado” é o segundo livro lançado pela autora a partir da saga principal. O primeiro foi “A breve segunda vida de Bree Tanner”, uma vampira recém-criada que tem uma participação superficial no enredo de Bella Swan e que acaba sendo morta em um combate entre vampiros. Meyer afirmou que sentiu vontade de escrever esse trecho pois lamentava ter matado a personagem na trama. Porém, segundo a autora, não era possível ter Bree na narrativa, já que os acontecimentos que se desenrolavam na saga Crepúsculo ocorriam sob a ótica de Bella. As duas personagens não têm um encontro significativo na história.
O mais novo livro conta a história de “Beau”, apelido para Beaufort (“beau”, em francês, é belo). O garoto se apaixona pela sedutora vampira Edythe. O livro tem 400 páginas e a autora afirma que precisou mudar apenas 5% das ações do personagem pelo fato de ser um menino.
O interesse por mudanças na história original e fatos que ficaram de lado porque não se encaixavam no enredo central motivou a escritora a criar Crepúsculo com gêneros invertidos. No prefácio da obra, Meyer nos conta que algumas interpretações sobre a personagem Bella a instigaram a reviver a história através de um garoto. A fama de donzela em apuros  da mocinha da saga sempre incomodou a autora, que diz que Bella é um ser humano em apuros “cercado de todos os lados por pessoas que são basicamente super-heróis ou supervilões (p.9)”. Agora, a escritora se colocou à prova invertendo o jogo e diz que, após dez anos de lançamento, colocou luz em outros aspectos da trama, como as visões da personagem Alice Cullen, que poderiam ter sido aproveitadas de outra forma no enredo original, além de correção de erros de lendas mitológicas. Mas todo o universo da cidade de Forks e da saga continuam em Vida e Morte: os lobos, os temíveis vampiros Volturi, as perseguições e as caçadas.
Stephanie Meyer parece não descartar escrever “Midnight Sun”, a tão comentada continuação da saga, escrita a partir da visão de Edward Cullen, cujos primeiros capítulos chegaram a se espalhar pela internet. Porém, diz que não teria tempo suficiente para fazer um lançamento comemorativo de dez anos da obra.  Enquanto isso, fãs podem revisitar a obra através de um ângulo divertido e descobrir se a autora consegue comprovar a tese de que Bella não era apenas uma mocinha sendo salva pelo herói apaixonado, procurar as diferenças entre um livro e outro e relacionar os nomes dos personagens deste livro com o original. No Brasil, o livro foi lançado mais uma vez pela editora Intrínseca, em um edição vira-vira – de um lado Crepúsculo e de outro Vida e Morte, que pode até facilitar a consulta e facilitar o encaixe desse quebra-cabeças criado por Stephanie Meyer.

* Texto originalmente publicado no site Homo Literatus em 7 de novembro de 2015

Foto de arquivo particular de
Dora Carvalho. Proibido a
reprodução.


Dora Carvalho é jornalista e doutorando em Comunicação e Práticas do Consumo pela ESPM-SP. É uma leitora voraz de clássicos a livros de fantasia. Adora autores britânicos e romances com fundo histórico. Escreve sobre cinema e séries no blog +Cinelivre.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Inferno

Autor:  Dan Brown Tradutor: Fabiano Morais e Fernanda Abreu Editora:  Arqueiro Número de páginas:  448 Ano de Lançamento:  2013 (EUA) Avaliação do Prosa Mágica:   9                               Gênio ou Louco? Você termina a leitura de Inferno e continua sem uma resposta para esta pergunta. Dan Brown nos engana, muito, de uma maneira descarada, sem dó de seu leitor, sem nenhuma piedade por sua alma. O autor passa praticamente metade do livro te enganando. Você se sente traído quando descobre tudo, se sente usado, irritado, revoltado. Que é esse Dan Brown que escreveu Inferno??? Nas primeiras duzentas páginas não parece ser o mesmo que escreveu brilhantemente Símbolo Perdido e Código D’Vince.  Mapa do Inferno. Botticelli. Então, quando você descobre que está sendo enganado, assim como o brilhante Robert Langdon, a sua opinião vai se transformando lentamente, e passa de pura revolta a admiração. É genial a manipulação que Dan Brown consegue fazer c

Tudo vai passar

Diante desta desgraça geral, com tantas mortes no mundo e no Brasil, pode parecer estranho um blog falar de leitura, de romance, de ficção, de sonhos. Pode ter a certeza que não é. Do que é feita a vida, senão de sonhos tornados realidades? O que seria agora, dos milhões de italianos que estão em isolamento total em suas casas se não fosse o sonho, a esperança? - Tudo vai passar. Uma das maneiras mais ricas de se passar um momento como esse é a leitura.   O livro é a porta aberta para o mundo que não podemos caminhar; são os abraços que não podemos dar; são os familiares que não podemos encontrar; são pessoas diferentes com as quais podemos dialogar, mesmo que em um primeiro momento pareça que estamos exercendo um monologo. Você pode optar por dialogar com escritores mais contemporâneos, que nos apresentam uma linguagem atual. Talvez uma conversa regada a saquê com Murakami com “histórias bizarras que gravitam no limite do realismo fantástico” como explica Felipe Massahiro.

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o