Pular para o conteúdo principal

O CÓDIGO GAUDÍ

Autor:  Esteban Martin e Andreu Carraza
Tradutor: Luis Carlos Cabral
Editora:  Record
Número de páginas: 378
Ano de Lançamento: 2009
Avaliação do Prosa Mágica:  9


Tenho uma paixonite por romances históricos. Não me importa muito se a trama “segue a risca” os fatos históricos, ou os usa apenas como pano de fundo para desenvolver algo que irá nos prender e fascinar. O Código Gaudí, da improvável junção de dois autores Esteban e Andreu Carranza é um desses casos, usa como pano de fundo a Barcelona de Gaudí, para nos apresentar uma aventura cheia de mistério e ação.
O Código Gaudí foi publicado em 2007 com uma trama difícil de ser explicada. A protagonista é Maria, neta de um aprendiz de Gaudí. Maria é uma historiadora da arte e apaixonada pelo pintor. Quando retorna para ver seu avô que está internado em uma casa de repouso com sérios problemas de memória, é introduzida em um mundo de fantasia que remonta os tempos antigos e apresenta uma ordem de cavaleiros milenar que protege um segredo cuja profecia deverá ser realizada por Maria. Ao seu lado junta-se Miguel, matemático descrente, que acaba ajudando a protagonista e cumprir seu destino. Barcelona é o pano de fundo da trama, e a obra de Antonio Gaudí é o guia para que Maria chegue ao final de sua profecia e em sua luta contra uma seita demoníaca.
A Sagrada Família
Quando você inicia a leitura, tem a sensação que será um livro fácil, uma cópia do livro “O Código Da Vince”, de Dan Brown, mas no decorrer da trama percebe que houve um engano de julgamento. O livro traz longas discussões sobre a obra de Gaudí, sobre temas cristãos e seus simbolismos. É totalmente referencial e você não pode se distrair na leitura, senão a conexão dos fatos ficará difícil de ser realizada. Tudo isso sem deixar de contemplar uma aura de mistério e uma onda de assassinatos de arrepiar.
Sem comparações mais profundas, O Código Gaudí me lembra Umberto Eco em “O Nome da Rosa”. É claro que não dá para comparar a maestria de Eco com Esteban e Andreu. No entanto, ambos têm uma “pegada” do autor italiano, misturada com a fluidez de texto de Dan Brown. Estes fatos me deixam a vontade para prever que ambos, se amadurecerem seu estilo, ainda nos trarão grandes obras.
Parque Guell
Não sei até que ponto tudo o que se falou sobre a obra de Antonio Gaudí é verdadeiro, mas lança um olhar diferenciado sobre o que já se conhece. A obra passa de simples decoração para uma significação mais profunda. Você termina a trama com vontade de reservar uma passagem para Barcelona e fazer o mesmo caminho que Maria fez para desvendar o segredo.
As alusões cristãs são profundas e questionadoras. Maria é o amor da vida de Miguel, chamado de arcanjo na trama; a igreja como instituição terrena é questionada e criticada; a compreensão da mensagem de Jesus pelos apóstolos é questionada, devido ao alcance que cada um deles poderia fazer diante da grandiosidade a que foram apresentados.
Não é um livro fácil de ler, pois requer atenção do leitor. No entanto é um livro agradável, que você deseja ler rápido para saber o final e depois, se arrepende de ler tão rapidamente, pois será obrigado a se despedir dos personagens.
Casa Batlo
Eu não conhecia o livro até ser presenteada por uma amiga, e confesso que me pego pensando sem querer na trama, como se ela fosse tão real que fizesse parte da vida.
Se isso não é uma boa indicação de leitura, confesso que  não sei o que seria.
Se você gosta de mistério, suspense, um toque de fantástico e história, vai se apaixonar por esta trama.

Casa VIcens



Casa Mila


La Pedrera







Comentários

  1. Acabei de ler o livro.. e fui direto pesquisar sobre ele e sobre a vida de Gaudi e sua obra em Barcelona. A trama é envolvente e inspiradora. Torce-se pela personagem principal (Maria) e ainda aprendo sobre a vida e obra deixada por Gaudi.
    Recomendo a leitura, e, como apontado, leia saboreando cada palavra e cena descrita pelos autores.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada, seu comentário é muito importante.
- Se quiser que eu faça contato mande um e-mail para prosa.magica@gmail.com
- Eu gosto de responder a todos os comentários. Assine os comentários do blog para ver o seu.

ATENÇÃO: Não publicarei links ou publicidade na área de comentários.
Obrigada pela participação.

Postagens mais visitadas deste blog

A princesa dos olhos tristes

Se vocês me permitem um pequeno comentário intimo, há uma “mania” na família de minha mãe de colocar nome de princesas nas filhas. Naturalmente começou com a minha, que me batizou de Soraya (em homenagem a princesa da Pérsia, Soraya Esfandiary Bakhtiari), depois minha prima batizou sua filha de Caroline (Homenagem a filha da belíssima Grace Kelly, rainha de Mônaco) e alguns anos depois, meus tios colocaram o nome de Anne (princesa da Grã Bretanha), em minha prima. Então é fácil imaginar que vivemos em clima de “família real” boa parte de nossa infância e adolescência. Mas, de todas as histórias reais, a que mais me intriga e fascina é a da princesa da Pérsia, por ter sido uma história de amor com final infeliz, mas não trágico. Soraya foi a esposa e rainha consorte de Mohammad Reza Pahlavi, Xá da Pérsia. Conheceram-se na França, na época em que Soraya fazia um curso de boas maneiras em uma escola Suíça. Logo ela recebeu um anel de noivado com um diamante de 22,37 quilates. O casamento

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o

Inferno

Autor:  Dan Brown Tradutor: Fabiano Morais e Fernanda Abreu Editora:  Arqueiro Número de páginas:  448 Ano de Lançamento:  2013 (EUA) Avaliação do Prosa Mágica:   9                               Gênio ou Louco? Você termina a leitura de Inferno e continua sem uma resposta para esta pergunta. Dan Brown nos engana, muito, de uma maneira descarada, sem dó de seu leitor, sem nenhuma piedade por sua alma. O autor passa praticamente metade do livro te enganando. Você se sente traído quando descobre tudo, se sente usado, irritado, revoltado. Que é esse Dan Brown que escreveu Inferno??? Nas primeiras duzentas páginas não parece ser o mesmo que escreveu brilhantemente Símbolo Perdido e Código D’Vince.  Mapa do Inferno. Botticelli. Então, quando você descobre que está sendo enganado, assim como o brilhante Robert Langdon, a sua opinião vai se transformando lentamente, e passa de pura revolta a admiração. É genial a manipulação que Dan Brown consegue fazer c

Seguidores