Pular para o conteúdo principal

O CÓDIGO GAUDÍ

Autor:  Esteban Martin e Andreu Carraza
Tradutor: Luis Carlos Cabral
Editora:  Record
Número de páginas: 378
Ano de Lançamento: 2009
Avaliação do Prosa Mágica:  9


Tenho uma paixonite por romances históricos. Não me importa muito se a trama “segue a risca” os fatos históricos, ou os usa apenas como pano de fundo para desenvolver algo que irá nos prender e fascinar. O Código Gaudí, da improvável junção de dois autores Esteban e Andreu Carranza é um desses casos, usa como pano de fundo a Barcelona de Gaudí, para nos apresentar uma aventura cheia de mistério e ação.
O Código Gaudí foi publicado em 2007 com uma trama difícil de ser explicada. A protagonista é Maria, neta de um aprendiz de Gaudí. Maria é uma historiadora da arte e apaixonada pelo pintor. Quando retorna para ver seu avô que está internado em uma casa de repouso com sérios problemas de memória, é introduzida em um mundo de fantasia que remonta os tempos antigos e apresenta uma ordem de cavaleiros milenar que protege um segredo cuja profecia deverá ser realizada por Maria. Ao seu lado junta-se Miguel, matemático descrente, que acaba ajudando a protagonista e cumprir seu destino. Barcelona é o pano de fundo da trama, e a obra de Antonio Gaudí é o guia para que Maria chegue ao final de sua profecia e em sua luta contra uma seita demoníaca.
A Sagrada Família
Quando você inicia a leitura, tem a sensação que será um livro fácil, uma cópia do livro “O Código Da Vince”, de Dan Brown, mas no decorrer da trama percebe que houve um engano de julgamento. O livro traz longas discussões sobre a obra de Gaudí, sobre temas cristãos e seus simbolismos. É totalmente referencial e você não pode se distrair na leitura, senão a conexão dos fatos ficará difícil de ser realizada. Tudo isso sem deixar de contemplar uma aura de mistério e uma onda de assassinatos de arrepiar.
Sem comparações mais profundas, O Código Gaudí me lembra Umberto Eco em “O Nome da Rosa”. É claro que não dá para comparar a maestria de Eco com Esteban e Andreu. No entanto, ambos têm uma “pegada” do autor italiano, misturada com a fluidez de texto de Dan Brown. Estes fatos me deixam a vontade para prever que ambos, se amadurecerem seu estilo, ainda nos trarão grandes obras.
Parque Guell
Não sei até que ponto tudo o que se falou sobre a obra de Antonio Gaudí é verdadeiro, mas lança um olhar diferenciado sobre o que já se conhece. A obra passa de simples decoração para uma significação mais profunda. Você termina a trama com vontade de reservar uma passagem para Barcelona e fazer o mesmo caminho que Maria fez para desvendar o segredo.
As alusões cristãs são profundas e questionadoras. Maria é o amor da vida de Miguel, chamado de arcanjo na trama; a igreja como instituição terrena é questionada e criticada; a compreensão da mensagem de Jesus pelos apóstolos é questionada, devido ao alcance que cada um deles poderia fazer diante da grandiosidade a que foram apresentados.
Não é um livro fácil de ler, pois requer atenção do leitor. No entanto é um livro agradável, que você deseja ler rápido para saber o final e depois, se arrepende de ler tão rapidamente, pois será obrigado a se despedir dos personagens.
Casa Batlo
Eu não conhecia o livro até ser presenteada por uma amiga, e confesso que me pego pensando sem querer na trama, como se ela fosse tão real que fizesse parte da vida.
Se isso não é uma boa indicação de leitura, confesso que  não sei o que seria.
Se você gosta de mistério, suspense, um toque de fantástico e história, vai se apaixonar por esta trama.

Casa VIcens



Casa Mila


La Pedrera







Comentários

Anônimo disse…
Acabei de ler o livro.. e fui direto pesquisar sobre ele e sobre a vida de Gaudi e sua obra em Barcelona. A trama é envolvente e inspiradora. Torce-se pela personagem principal (Maria) e ainda aprendo sobre a vida e obra deixada por Gaudi.
Recomendo a leitura, e, como apontado, leia saboreando cada palavra e cena descrita pelos autores.

Postagens mais visitadas deste blog

Inferno

Autor:  Dan Brown Tradutor: Fabiano Morais e Fernanda Abreu Editora:  Arqueiro Número de páginas:  448 Ano de Lançamento:  2013 (EUA) Avaliação do Prosa Mágica:   9                               Gênio ou Louco? Você termina a leitura de Inferno e continua sem uma resposta para esta pergunta. Dan Brown nos engana, muito, de uma maneira descarada, sem dó de seu leitor, sem nenhuma piedade por sua alma. O autor passa praticamente metade do livro te enganando. Você se sente traído quando descobre tudo, se sente usado, irritado, revoltado. Que é esse Dan Brown que escreveu Inferno??? Nas primeiras duzentas páginas não parece ser o mesmo que escreveu brilhantemente Símbolo Perdido e Código D’Vince.  Mapa do Inferno. Botticelli. Então, quando você descobre que está sendo enganado, assim como o brilhante Robert Langdon, a sua opinião vai se transformando lentamente, e passa de pura revolta a admiração. É genial a manipulação que Dan Brown consegue fazer c

Tudo vai passar

Diante desta desgraça geral, com tantas mortes no mundo e no Brasil, pode parecer estranho um blog falar de leitura, de romance, de ficção, de sonhos. Pode ter a certeza que não é. Do que é feita a vida, senão de sonhos tornados realidades? O que seria agora, dos milhões de italianos que estão em isolamento total em suas casas se não fosse o sonho, a esperança? - Tudo vai passar. Uma das maneiras mais ricas de se passar um momento como esse é a leitura.   O livro é a porta aberta para o mundo que não podemos caminhar; são os abraços que não podemos dar; são os familiares que não podemos encontrar; são pessoas diferentes com as quais podemos dialogar, mesmo que em um primeiro momento pareça que estamos exercendo um monologo. Você pode optar por dialogar com escritores mais contemporâneos, que nos apresentam uma linguagem atual. Talvez uma conversa regada a saquê com Murakami com “histórias bizarras que gravitam no limite do realismo fantástico” como explica Felipe Massahiro.

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o