Pular para o conteúdo principal

Descobrindo o Islã no Brasil

Autor:  Karla Lima
Editora:  Hedra
Número de páginas: 196
Ano de Lançamento: 2016
Avaliação Prosa Mágica: 10


Toda resenha deste blog começa com um fato, uma curiosidade ou algo que remete diretamente a trama ou a descoberta do livro. Não seria diferente com Descobrindo o Islã no Brasil, da escritora e jornalista Karla Lima.
Quando iniciei a leitura instigante deste livro publiquei uma foto no facebook no estilo “Café com boa leitura”. Qual não foi a minha surpresa quando comecei a receber comentários “inbox” de reações descabidas de preconceito quanto ao tema. O que me causou espanto, no entanto, foi a falta de conhecimento e de vontade de buscar informações sobre uma temática que é controversa, mas que carrega em si uma miríade fascinante de mistérios, pensamentos e dogmas.
Eu tenho muito orgulho em poder resenhar este livro – e qualquer coisa que eu fale estará bem longe do que merece ser dito sobre ele. Descobrindo o Islã é muito mais que revelador, ele é corajoso, na medida em que a autora não tem ligação religiosa nenhuma com o islamismo, mas teve a coragem de se vestir com o hijab e fazer perguntas que nenhum de nós faríamos aos praticantes de qualquer outra religião, ou você se imagina perguntando a um padre católico se ele usa calças por baixo da batina?
Finalizei a leitura com satisfação, pois a autora escreveu um livro reportagem lúcido, informativo, desprovido de apologias positivas ou negativas, apenas apresentando os fatos.
Um dos pontos positivos – e eu queria mais informações sobre isto – foi que a autora se vestiu de muçulmana e viveu seu dia-a-dia daquela forma, sentindo o preconceito, a estranheza com que as pessoas olham quem é diferente. A passagem no posto de gasolina, onde o frentista pergunta se ela pode tomar café é o exemplo de nosso desconhecimento desta religião.
Quando Karla entrevista o xeique e pergunta se as mulheres usam roupas por baixo dos longos mantos, a reação e o entendimento do xeique foram engraçados, mas a paciência em responder revela bem mais sobre os praticantes do islamismo.
Karla é direta em suas perguntas, sempre respeitosa, mas ávida de saber e nos contar o que pode retirar definitivamente o véu de quem busca conhecer mais antes de falar sobre um assunto.
O que gostei mais no livro? Não saberia dizer. O que me chamou muito a atenção foi que todos os “personagens” foram tratados como pessoas comuns, como seres humanos iguais a nós (E são). Pessoas que tem dúvidas, que tem medos, e algumas até dupla crença – adorei o muçulmano espírita.
Descobrindo o Islã no Brasil tem uma mulher com o véu na capa, mas em sua essência despe totalmente o véu que cobre o nosso desconhecimento sobre o Islã. Tira de vez a associação terrorismo/muçulmano e nos apresenta que, assim como em todas as crenças, há os fanáticos que são capazes de destruir sem pensar nas consequências do que faz.
Se você, como eu, gosta de falar e debater com base em informações, Descobrindo o Islã no Brasil é o livro ideal a ser lido.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Inferno

Autor:  Dan Brown Tradutor: Fabiano Morais e Fernanda Abreu Editora:  Arqueiro Número de páginas:  448 Ano de Lançamento:  2013 (EUA) Avaliação do Prosa Mágica:   9                               Gênio ou Louco? Você termina a leitura de Inferno e continua sem uma resposta para esta pergunta. Dan Brown nos engana, muito, de uma maneira descarada, sem dó de seu leitor, sem nenhuma piedade por sua alma. O autor passa praticamente metade do livro te enganando. Você se sente traído quando descobre tudo, se sente usado, irritado, revoltado. Que é esse Dan Brown que escreveu Inferno??? Nas primeiras duzentas páginas não parece ser o mesmo que escreveu brilhantemente Símbolo Perdido e Código D’Vince.  Mapa do Inferno. Botticelli. Então, quando você descobre que está sendo enganado, assim como o brilhante Robert Langdon, a sua opinião vai se transformando lentamente, e passa de pura revolta a admiração. É genial a manipulação que Dan Brown consegue fazer c

Tudo vai passar

Diante desta desgraça geral, com tantas mortes no mundo e no Brasil, pode parecer estranho um blog falar de leitura, de romance, de ficção, de sonhos. Pode ter a certeza que não é. Do que é feita a vida, senão de sonhos tornados realidades? O que seria agora, dos milhões de italianos que estão em isolamento total em suas casas se não fosse o sonho, a esperança? - Tudo vai passar. Uma das maneiras mais ricas de se passar um momento como esse é a leitura.   O livro é a porta aberta para o mundo que não podemos caminhar; são os abraços que não podemos dar; são os familiares que não podemos encontrar; são pessoas diferentes com as quais podemos dialogar, mesmo que em um primeiro momento pareça que estamos exercendo um monologo. Você pode optar por dialogar com escritores mais contemporâneos, que nos apresentam uma linguagem atual. Talvez uma conversa regada a saquê com Murakami com “histórias bizarras que gravitam no limite do realismo fantástico” como explica Felipe Massahiro.

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o