Pular para o conteúdo principal

Harry Potter e a Criança Amaldiçoada

Autor:  J. K. Rowling, John Tiffany, Jack Thorne
Tradutor: Ana Vicentini
Editora:  Rocco
Número de páginas: 352
Ano de Lançamento: 2016
Avaliação do Prosa Mágica:  10 ++


“Tempo, tempo, tempo, tempo”. A música de Caetano Veloso parece se adequar bem a temática do oitavo livro de J.K.Rowling, da série Harry Potter.  É o tempo que se torna o senhor do destino na trama, é no tempo que se desenrola as aventuras mágicas, é o tempo que poderá se tornar a grande e inexorável bandeira do mal.
O livro-roteiro da peça de teatro que estreou em Londres este ano, sob as mágicas mãos de John Tiffany e Jack Thorne, baseado em uma história original de J.K.Rowling, nos leva a vivenciar os dramas que surgem 19 anos depois que Harry e seus amigos venceram a Batalha de Hogwarts.
Harry agora é um bem sucedido funcionário do ministério da magia, casado com Gina e pai de três filhos, dentre eles Alvo Severo Potter, que recebeu seu nome em homenagem a Dumbledore e Snape.
Harry está vivenciando todos os dramas de quem atinge a marca dos 40 anos em sua vida, e com a idade vem todo o peso de um passado difícil, repleto de lutas e de falsas culpas. Além disso, o bruxo vive uma situação inusitada em sua vida, a experiência de ser pai, para a qual não possui nem histórico e nem referencias para se basear. E você tem a impressão que ele está se saindo mal na tarefa.
Do outro lado nós temos Alvo, um adolescente que sofre ao carregar em seus ombros o peso de ser o filho do “escolhido” e ter o nome de duas pessoas geniais. Um peso que, como adolescente, parece lhe fazer mal. Além disso, Alvo não foi escolhido para Grifinólia, e isso o deixa com medo e culpado, como se a qualquer momento ele pudesse se transformar em um bruxo do mal.
Se toda a rebeldia da adolescência não bastasse, Alvo recebe como único amigo Escórpio, o filho de Dracco Malfoy, um menino sensível, inteligente, mas que traz em seu histórico a suspeita de ser filho de Valdemort. A revolta de Alvo pode ser sentida em um crescente ao longo da história. Quanto mais ele se revolta com sua situação, mais ele se parece com o pai.
No entanto, diante destes pequenos dramas familiares e estudantis, as trevas parecem rondar o Planeta novamente, uma ameaça legítima do retorno de Valdemort que assusta não só o Ministério da Magia, como envolve Escórpio e Alvo em uma aventura que eles nunca imaginaram.
Há também a relação tensa entre Dracco e Escórpio. E nela você percebe o quanto a geração dos primeiros oitos livros não amadureceu de forma completa, e como a guerra contra as trevas os afetou de forma definitiva.
Tem um lado genial na trama, que são as reviravoltas do tempo. Há um vai e vem temporal emocionante. É através de um vira tempo que os personagens retornam a um passado distante, na tentativa de consertar algo, mas o tempo, senhor de seu destino, proporciona algumas surpresas para eles e para nós, leitores. Sabe aquela história de “e se...”? Você pode ver o resultado de vários questionamentos deste nível.
A volta no tempo nos leva também a recordações dos outros livros como as cenas do Torneio Tribruxo em "Harry Potter e o Cálice de Fogo", a invasão do Ministério da Magia por Harry, Rony e Hermione (usando a Poção Polissuco para disfarçar-se) em "Relíquias da Morte"; E uma visita a Godric's Hollow no mesmo volume.
De uma forma intuitiva, este retorno no tempo acaba nos mostrando que Alvo representa, de uma maneira simbólica, a infância traumática de Harry. E isso não significa que ele sofre os mesmos castigos e o mesmo desprezo que o pai sofreu, mas que em sua cabeça de adolescente Alvo vivencia o passado de seu pai, apesar de odiá-lo. É estranha esta relação, e ao mesmo tempo ela empolga e dá vida a trama.
Há algo que perdemos neste livro. Como a trama foi escrita no formato de um roteiro para teatro, não há o aprofundamento dramático tão característico de J.K.Rowling. Tem horas que sentimos falta do pensamento de Harry. Tudo isso é completado pelos atores que representam os papéis, e não temos isso ao ler o livro. Mas não se engane, Thorne (Um dos roteiristas) tem um compreensão intrínseca da alma de J.K.Rowling. Ele trabalha muito bem algumas questões que estão entranhadas em toda a obra da autora como a questão do “livre arbítrio”, o frágil equilíbrio entre amor e ódio, o papel exercido pela solidão e pela raiva na vida das pessoas, o contraponto entre as forças da luz e da escuridão e finalmente o papel da paz depois da luta.
É um livro para refletir, pensar sobre nossas ações e em como elas influem no futuro. Recordar o passado e perceber o quanto ele construiu o nosso presente e que mudar uma vírgula do passado representaria perder tudo o que temos no hoje.
Imagem da Peça Teatral Harry Potter and the Cursed Child - Londres

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Inferno

Autor:  Dan Brown Tradutor: Fabiano Morais e Fernanda Abreu Editora:  Arqueiro Número de páginas:  448 Ano de Lançamento:  2013 (EUA) Avaliação do Prosa Mágica:   9                               Gênio ou Louco? Você termina a leitura de Inferno e continua sem uma resposta para esta pergunta. Dan Brown nos engana, muito, de uma maneira descarada, sem dó de seu leitor, sem nenhuma piedade por sua alma. O autor passa praticamente metade do livro te enganando. Você se sente traído quando descobre tudo, se sente usado, irritado, revoltado. Que é esse Dan Brown que escreveu Inferno??? Nas primeiras duzentas páginas não parece ser o mesmo que escreveu brilhantemente Símbolo Perdido e Código D’Vince.  Mapa do Inferno. Botticelli. Então, quando você descobre que está sendo enganado, assim como o brilhante Robert Langdon, a sua opinião vai se transformando lentamente, e passa de pura revolta a admiração. É genial a manipulação que Dan Brown consegue fazer c

Tudo vai passar

Diante desta desgraça geral, com tantas mortes no mundo e no Brasil, pode parecer estranho um blog falar de leitura, de romance, de ficção, de sonhos. Pode ter a certeza que não é. Do que é feita a vida, senão de sonhos tornados realidades? O que seria agora, dos milhões de italianos que estão em isolamento total em suas casas se não fosse o sonho, a esperança? - Tudo vai passar. Uma das maneiras mais ricas de se passar um momento como esse é a leitura.   O livro é a porta aberta para o mundo que não podemos caminhar; são os abraços que não podemos dar; são os familiares que não podemos encontrar; são pessoas diferentes com as quais podemos dialogar, mesmo que em um primeiro momento pareça que estamos exercendo um monologo. Você pode optar por dialogar com escritores mais contemporâneos, que nos apresentam uma linguagem atual. Talvez uma conversa regada a saquê com Murakami com “histórias bizarras que gravitam no limite do realismo fantástico” como explica Felipe Massahiro.

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o