Pular para o conteúdo principal

Mitologia Nórdica

Autor:  Neil Gaiman
Tradutor: Edmundo Barreiros
Editora: Intrinseca
Número de páginas: 288
Ano de Lançamento: 2017
Avaliação do Prosa Mágica:  10


Mitologia sempre foi uma paixão em minha vida. Eu me lembro de ouvir, quando criança, meu pai contando as histórias dos deuses gregos, e do encantamento que sentia. Também me lembro de assistir desenhos animados cujos deuses eram poderosos, dentre eles Thor (deus nórdico), o que carregava o martelo e fazia os trovões.
Cresci com esta paixão, e confesso que da mitologia nórdica apenas conhecia Thor. Os gregos eram a minha paixão e minha fonte de inspiração.
O tempo foi passando e os deuses nórdicos foram se apresentando diante de mim. Eu já gostava de Odin e Freya mas percebi que o conhecimento que tinha não era suficiente. E esta percepção veio da leitura da série Starling (Ed. Jangada) cuja temática principal tinha origem neles.
No ano passado a Editora Intrinseca lançou Mitológia Nórdica, escrito pelo grande Neil Gaiman, e é claro que vi ai uma oportunidade de me aprofundar mais.
A leitura demorou a acontecer, e só pude me deliciar com a forma fluida que Neil Gaiman escreve agora. A primeira coisa que você sente ao ler este livro é que ele nos transporta a uma noite estrelada, fogueiras e um grande contador de histórias nos encantando com as peripécias de deuses que mais parecem humanos.
A mitologia nórdica é empolgante, repleta de aventuras e recheada de finais nonsenses. Foi revelador descobrir que a veia literária do povo europeu tem um DNA tão intenso, que remonta os grandes barcos Vickings.
Eu recomendo a leitura, pois Neil Gaiman nos dá uma ideia muito boa sobre esta mitologia, tudo graças ao seu grande talento como escritor.
Confesso que minha paixão pelos gregos não foi nem um pouco abalada. A mitologia nórdica é superficial, as tramas são simples e as conclusões dos fatos nem sempre tem uma lógica, mesmo que seja ficcional.
A mitologia grega é complexa, profunda. Seus deuses, mesmo com as falhas e loucuras humanas, parecem superiores a nós. O mesmo não ocorre com o povo de Odin. Mas isso é uma conversa para outra hora.
Mitologia Nórdica de Neil Gaiman é uma leitura excepcional para quem quer conhecer e iniciar uma jornada em busca dos deuses nórdicos.

Alguns livros de Neil Gaiman:
O Oceano no Fim do Caminho
Deuses Americanos
O Livro do Cemitério
Stardust (Também em filme)
Lugar Nenhum
Os Filhos de Anansi

Comentários

  1. Oi, Soraya.
    Eu sempre gostei muito de mitologia também e esse livro é ótimo! Gosto muito da escrita do Neil Gaiman. Mas se tiver a oportunidade, leia um livro chamado Os Filhos de Odin, lançado pela Editora Única! É ainda mais impressionante!
    beijos
    Camis - blog Leitora Compusiva

    ResponderExcluir
  2. Olá. bom dia! Confesso não conhecer nada deste autor. mas vou procurar algum dos livros recomendados para minha proxima leitura. Abraços
    Luis Antonio

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada, seu comentário é muito importante.
- Se quiser que eu faça contato mande um e-mail para prosa.magica@gmail.com
- Eu gosto de responder a todos os comentários. Assine os comentários do blog para ver o seu.

ATENÇÃO: Não publicarei links ou publicidade na área de comentários.
Obrigada pela participação.

Postagens mais visitadas deste blog

A princesa dos olhos tristes

Se vocês me permitem um pequeno comentário intimo, há uma “mania” na família de minha mãe de colocar nome de princesas nas filhas. Naturalmente começou com a minha, que me batizou de Soraya (em homenagem a princesa da Pérsia, Soraya Esfandiary Bakhtiari), depois minha prima batizou sua filha de Caroline (Homenagem a filha da belíssima Grace Kelly, rainha de Mônaco) e alguns anos depois, meus tios colocaram o nome de Anne (princesa da Grã Bretanha), em minha prima. Então é fácil imaginar que vivemos em clima de “família real” boa parte de nossa infância e adolescência. Mas, de todas as histórias reais, a que mais me intriga e fascina é a da princesa da Pérsia, por ter sido uma história de amor com final infeliz, mas não trágico. Soraya foi a esposa e rainha consorte de Mohammad Reza Pahlavi, Xá da Pérsia. Conheceram-se na França, na época em que Soraya fazia um curso de boas maneiras em uma escola Suíça. Logo ela recebeu um anel de noivado com um diamante de 22,37 quilates. O casamento

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o

Inferno

Autor:  Dan Brown Tradutor: Fabiano Morais e Fernanda Abreu Editora:  Arqueiro Número de páginas:  448 Ano de Lançamento:  2013 (EUA) Avaliação do Prosa Mágica:   9                               Gênio ou Louco? Você termina a leitura de Inferno e continua sem uma resposta para esta pergunta. Dan Brown nos engana, muito, de uma maneira descarada, sem dó de seu leitor, sem nenhuma piedade por sua alma. O autor passa praticamente metade do livro te enganando. Você se sente traído quando descobre tudo, se sente usado, irritado, revoltado. Que é esse Dan Brown que escreveu Inferno??? Nas primeiras duzentas páginas não parece ser o mesmo que escreveu brilhantemente Símbolo Perdido e Código D’Vince.  Mapa do Inferno. Botticelli. Então, quando você descobre que está sendo enganado, assim como o brilhante Robert Langdon, a sua opinião vai se transformando lentamente, e passa de pura revolta a admiração. É genial a manipulação que Dan Brown consegue fazer c

Seguidores