Pular para o conteúdo principal

Romancista como vocação


Autor:  Haruki Murakami
Tradutor: Eunice Suenaga
Editora: Alfaguara
Número de páginas: 168
Ano de Lançamento Brasil: 2017
Avaliação do Prosa Mágica: 7
                       

Romancista como Vocação é um ensaio que aborda o processo criativo levando em conta os diversos aspectos de uma criação literária, dentre eles a originalidade, os personagens, os temas, os prêmios. Todos esses aspectos são abordados de forma corriqueira, como em um bate papo, que a primeira vista parece quase um monologo, por que Murakami dá a impressão de não deixar margem para um diálogo.
Haruki Murakami é um dos mais conhecidos romancista japonês, suas obras já foram traduzidas para 42 idiomas. Sua linguagem simples, seca, sem muitos adjetivos ou metáforas, a primeira vista parece ser de uma inabilidade gigante diante da escrita, quando na verdade tudo é deliberado, planejado para provocar sensações.
Culturalmente Murakami não seria um rebelde, e isso se reflete em sua obra, mesmo quando o fato relatado parece transgredir, o ato acaba sendo apenas um ato criativo, um pequeno e desculpável desvio de conduta.
A impressão que passa é que Murakami se tornou escritor por acaso. Ele não teve preparo nenhum para isso, não frequentou cursos, apenas decidiu escrever e foi em frente. No entanto, com um largo background de leitura, não é de se admirar o sucesso que atingiu.
Murakami foi o “marginal” de sua sociedade. Não foi um aluno brilhante, casou-se antes de buscar um trabalho e construir seu repertório trabalhando em uma zona boemia de Tóquio, lugar no qual aprendeu sobre a vida, as pessoas e o mundo. Ele fala em seu livro:
“...mas quando eu trabalhava lá pessoas completamente estranhas  e interessantes perambulavam por Kobukichô e proximidades. (...) Foi nesse lugar animado, diversificado, às vezes duvidoso e violento, que aprendi muito sobre a vida(...)”
O escritor recebeu diversos prêmios e foi indicado ao Nobel, mas não venceu. Existe um grande questionamento sobre este fato, mas não me considero conhecedora o suficiente da obra de Murakami para sequer levantar hipóteses.
Mas, voltando ao livro, não se trata de um manual de como escrever bem, na verdade ele se assemelha muito mais a um “diário adolescente”, muitas vezes repetitivo, sem que isso o torne vulgar.
Outras vezes, Romancista como vocação parece um desfile de personagens cotidianos que podem ser encontrados em qualquer rua de Tóquio.
Murakami é disciplinado, e em minha opinião, essa é a maior mensagem de seu livro. Muitas vezes as pessoas romanceiam a vida do escritor, imaginando que as ideias caem do céu e vão diretamente para o papel e se transformam no livro acabado. Quem escreve de verdade sabe que não é assim. Eu mesma, para escrever os quatro romances que publiquei passava de 5 a 8 horas por dia diante do computador, mesmo que muitas vezes isso resultasse em uma única página escrita.
Haruki escreve por 4 a 5 hora e produz 300 páginas por mês, faz exercícios físicos e não se isola da humanidade em sua “caverna particular”.
No entanto o escritor precisa da criatividade, e Murakami nos fala do caos criativo, que ele cita fartamente como uma busca interior dentro do inconsciente de cada um.
Não me parece que Haruki Murakami é a criatividade em pessoa, com uma mente arguta e engenhosa. No entanto, dentro de sua simplicidade, ele não segue a massa, ele tem e expressa suas próprias opiniões sem se deixar levar por rótulos e convenções. Talvez ai se encontre a fórmula de seu grande sucesso.
Se Murakami fosse poesia, com certeza ele não seria Camões ou Shakespeare. O autor seria Bashô, simples como um Haikai, mas profundo na grandeza de seus significados. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Inferno

Autor:  Dan Brown Tradutor: Fabiano Morais e Fernanda Abreu Editora:  Arqueiro Número de páginas:  448 Ano de Lançamento:  2013 (EUA) Avaliação do Prosa Mágica:   9                               Gênio ou Louco? Você termina a leitura de Inferno e continua sem uma resposta para esta pergunta. Dan Brown nos engana, muito, de uma maneira descarada, sem dó de seu leitor, sem nenhuma piedade por sua alma. O autor passa praticamente metade do livro te enganando. Você se sente traído quando descobre tudo, se sente usado, irritado, revoltado. Que é esse Dan Brown que escreveu Inferno??? Nas primeiras duzentas páginas não parece ser o mesmo que escreveu brilhantemente Símbolo Perdido e Código D’Vince.  Mapa do Inferno. Botticelli. Então, quando você descobre que está sendo enganado, assim como o brilhante Robert Langdon, a sua opinião vai se transformando lentamente, e passa de pura revolta a admiração. É genial a manipulação que Dan Brown consegue fazer c

Tudo vai passar

Diante desta desgraça geral, com tantas mortes no mundo e no Brasil, pode parecer estranho um blog falar de leitura, de romance, de ficção, de sonhos. Pode ter a certeza que não é. Do que é feita a vida, senão de sonhos tornados realidades? O que seria agora, dos milhões de italianos que estão em isolamento total em suas casas se não fosse o sonho, a esperança? - Tudo vai passar. Uma das maneiras mais ricas de se passar um momento como esse é a leitura.   O livro é a porta aberta para o mundo que não podemos caminhar; são os abraços que não podemos dar; são os familiares que não podemos encontrar; são pessoas diferentes com as quais podemos dialogar, mesmo que em um primeiro momento pareça que estamos exercendo um monologo. Você pode optar por dialogar com escritores mais contemporâneos, que nos apresentam uma linguagem atual. Talvez uma conversa regada a saquê com Murakami com “histórias bizarras que gravitam no limite do realismo fantástico” como explica Felipe Massahiro.

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o