Pular para o conteúdo principal

Silêncio

Em que momento o silêncio toma conta do seu ser? Quando você não tem mais segredos para compartilhar ou quando meses de sua vida parecem estar trancafiados em um porão profundo e inacessível?
Para Nora Grey, o silêncio não se resume apenas a amnésia que acometeu sua vida, ou na falta total de segredos. Quando Nora acorda em um cemitério, três meses após seu desaparecimento, o silêncio que grita em sua mente em seu coração parece ser, se não o maior, o pior incomodo que alguém poderia ter em sua vida.
Em Silêncio, de Becca Fitzpatrick, terceiro livro da Série Hush, Hush, a autora parece ir bem mais fundo nas emoções, na mazelas, nas dúvidas e incertezas que permeiam a vida dos seres humanos.
Já no prólogo o leitor leva um choque que provoca estranhamento, dor. Até que ponto uma pessoa, no caso um anjo, pode ir quando ama verdadeiramente alguém? E a resposta é dura, comovente e, como tudo o que a autora escreve, controversa.
A grande luta mítica entre o bem e o mal fica em segundo plano neste terceiro livro. Anjos decaídos, nefilins, arcanjos, todos parecem compartilhar sentimentos totalmente humanos, onde ódio, vingança prevalecem ao invés da já arquetípica ideia trazida pelo Cristianismo de “anjo = bondade” e “anjo decaído = demônio”.
Você passa o tempo todo em que lê o livro se questionando se tudo o que você sempre acreditou não passa de uma mentira. Se bondade e maldade são questões que dependem única e exclusivamente de pontos de vista ou se realmente, como disse Maquiavel “os meios justificam os fins”.
Veja bem, estou falando de um livro que foi escrito para adolescentes e que, de certa forma, é exatamente como todos os romances: tem beijos, declarações de amor, possibilidade de sexo, ciúmes, inquietações etc. Mas, se você olhar com a “luneta” correta verá que não é só isso, há muito mais, muito mais do que pode ser dito sem que eu me transforme em uma grande estraga prazeres contando toda a história.
A Nora passa boa parte da trama tentando fazer as conexões que estão perdidas em seu cérebro, mas que seu coração não esqueceu. A grande verdade é que guardamos muito mais o que o coração sente.
Ela reconhece Patch, primeiro pelo coração, depois pelo raciocínio e junto a ele, sem mais nenhum segredo, partem juntos para a grande batalha que se iniciou neste livro e com certeza terminará no próximo.
É uma história que vale a pena ser lida pelo envolvimento que ele proporciona, pela grande capacidade da escritora nos transportar para outro mundo, mesmo que ele seja totalmente fantasioso e ilusório.
Shakespeare fazia isso há séculos, por que hoje, em pleno século XXI escritores não podem mais fazer isso? Por que será que existe uma corrente que quer apenas o que chamam de “livros cabeça”?
Boa literatura de ficção é aquela que consegue criar um mundo paralelo tão forte que você terá dúvida, após a leitura, se seus personagens são reais ou não. Mas, quem disse que eles não existiram?
- Pelo menos na cabeça do escritor ele viveu, meses a fio, e ainda vive na cabeça de cada leitor que se dispõe a folhear página a página, de papel ou digital, não importa, e se deixar levar por horas para outros lugares.
Becca Fitzpatrick conseguiu, sem dúvida nenhuma, unir a leveza da trama direcionada aos jovens com um debate profundo que pode ser empreendido por cada um de nós. Mas, como diria Patch neste livro:
“- (...) estou tentado a fazer alguma coisa da qual provavelmente vou me arrepender.”

Links:
Post sobre o livro Crescendo

Comentários

Postar um comentário

Obrigada, seu comentário é muito importante.
- Se quiser que eu faça contato mande um e-mail para prosa.magica@gmail.com
- Eu gosto de responder a todos os comentários. Assine os comentários do blog para ver o seu.

ATENÇÃO: Não publicarei links ou publicidade na área de comentários.
Obrigada pela participação.

Postagens mais visitadas deste blog

A princesa dos olhos tristes

Se vocês me permitem um pequeno comentário intimo, há uma “mania” na família de minha mãe de colocar nome de princesas nas filhas. Naturalmente começou com a minha, que me batizou de Soraya (em homenagem a princesa da Pérsia, Soraya Esfandiary Bakhtiari), depois minha prima batizou sua filha de Caroline (Homenagem a filha da belíssima Grace Kelly, rainha de Mônaco) e alguns anos depois, meus tios colocaram o nome de Anne (princesa da Grã Bretanha), em minha prima. Então é fácil imaginar que vivemos em clima de “família real” boa parte de nossa infância e adolescência. Mas, de todas as histórias reais, a que mais me intriga e fascina é a da princesa da Pérsia, por ter sido uma história de amor com final infeliz, mas não trágico. Soraya foi a esposa e rainha consorte de Mohammad Reza Pahlavi, Xá da Pérsia. Conheceram-se na França, na época em que Soraya fazia um curso de boas maneiras em uma escola Suíça. Logo ela recebeu um anel de noivado com um diamante de 22,37 quilates. O casamento

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o

Inferno

Autor:  Dan Brown Tradutor: Fabiano Morais e Fernanda Abreu Editora:  Arqueiro Número de páginas:  448 Ano de Lançamento:  2013 (EUA) Avaliação do Prosa Mágica:   9                               Gênio ou Louco? Você termina a leitura de Inferno e continua sem uma resposta para esta pergunta. Dan Brown nos engana, muito, de uma maneira descarada, sem dó de seu leitor, sem nenhuma piedade por sua alma. O autor passa praticamente metade do livro te enganando. Você se sente traído quando descobre tudo, se sente usado, irritado, revoltado. Que é esse Dan Brown que escreveu Inferno??? Nas primeiras duzentas páginas não parece ser o mesmo que escreveu brilhantemente Símbolo Perdido e Código D’Vince.  Mapa do Inferno. Botticelli. Então, quando você descobre que está sendo enganado, assim como o brilhante Robert Langdon, a sua opinião vai se transformando lentamente, e passa de pura revolta a admiração. É genial a manipulação que Dan Brown consegue fazer c

Seguidores