Pular para o conteúdo principal

Lá e de volta ao blog

Foto: Filme O Hobbit

Inspirada no Hobbit, de J.R.R.Tolkien, intitulo meu post de retorno. Parece mais uma brincadeira ficar tanto tempo longe do blog tendo tanto a falar. Mas como a jornada de Bilbo Bolseiro, muitas vezes a aventura nos tira de nosso conforto, nos põe em perigos, nos calcina com seu fogo e nos devolve totalmente transformados.
É desta forma que me sinto ao retomar o blog Prosa Mágica. Vinda de uma longa jornada que não passou nem de longe por Valfenda, mas que me manteve dentro das ruínas de Mordor por longos meses, cuja única luz me foi presenteada pelos livros que li.
Não se preocupem, queridos leitores, esta blogueira não foi atingida por nenhum pela espada de nenhum necromante, mas a mente foi obscurecida pelo massacre do cotidiano, que no final das contas me ensinou muito.
Li bem menos do que desejava, mas em sua maioria bons livros, cujas resenhas escritas tempos depois da leitura publicarei aqui. Ernest Hemingway, Lucinda Riley, Haruki Murakami, Agatha Christie, Adriano Calson dentre outros me fizeram companhia durante minha jornada.
Nas próximas semanas publicarei estas resenhas, com o compromisso de publicar o que está na lista de leituras como “A Amizade no Senhor dos Anéis”, “Silmarillion” etc.
Então, bem vindo de volta a minha Terra Média de leituras.

Comentários

F disse…
A Soraya viaja nos livros, sonhos e fantasias. As resenhas são pitacos e oassagens rumo ao grande caminho: obras e conhecimento

Postagens mais visitadas deste blog

Setembro

Autor:   Rosamund Pilcher Tradução: Angela Nascimento Machado Editora:  Bertrand Brasil Número de páginas: 462 Ano de Lançamento: 1990 Avaliação do Prosa Mágica:   10                         É uma história extremamente envolvente e humana que traça a vida de uma dúzia de personagens. A trama se passa na Escócia, e acontece entre os meses de maio a setembro, tendo como pano de fundo uma festa de aniversário que acontecerá em grande estilo. Violet, que me parece ser a própria Rosamund, costura a relação entre as famílias que fazem parte deste romance. Com destreza e delicadeza, a autora   nos conta o cotidiano destas famílias, coisas comuns como comer, fazer compras, tricô, jardinagem. Problemas pessoais como a necessidade de um trabalho para complementar a   renda e outras preocupações do cotidiano que surpreendem pela beleza que são apresentadas. É um livro em camadas, que pode ser avaliado sobre vários aspectos que se complementam. Pandora, por exemplo, é o

Tudo vai passar

Diante desta desgraça geral, com tantas mortes no mundo e no Brasil, pode parecer estranho um blog falar de leitura, de romance, de ficção, de sonhos. Pode ter a certeza que não é. Do que é feita a vida, senão de sonhos tornados realidades? O que seria agora, dos milhões de italianos que estão em isolamento total em suas casas se não fosse o sonho, a esperança? - Tudo vai passar. Uma das maneiras mais ricas de se passar um momento como esse é a leitura.   O livro é a porta aberta para o mundo que não podemos caminhar; são os abraços que não podemos dar; são os familiares que não podemos encontrar; são pessoas diferentes com as quais podemos dialogar, mesmo que em um primeiro momento pareça que estamos exercendo um monologo. Você pode optar por dialogar com escritores mais contemporâneos, que nos apresentam uma linguagem atual. Talvez uma conversa regada a saquê com Murakami com “histórias bizarras que gravitam no limite do realismo fantástico” como explica Felipe Massahiro.

Prosa de Quarentena

Li muito este ano, muito mais que li no ano passado inteiro, mas venho sofrendo de inconstância literária, o que significa que muitas vezes leio 500 páginas em 2 dias e outras, levo dois meses para ler 100. Neste exato momento estou na segunda alternativa, o que significa que a leitura de O Silmarillion segue devagar. Confesso que deixei de lado a paranoia de me obrigar a ler um monte de livros por causa do blog. Leitura é puro prazer, é amor ao texto, é observar as entrelinhas, e se deliciar com as formas como o autor mistura e brinca com as palavras, e isso não pode ser feito em um ritmo frenético. Posto esta explicação necessária, seguimos com o tema de hoje. A pandemia provocada pelo coronavírus no mundo e no Brasil. Entrei de quarentena (Isolamento Social) no dia 23 de março, junto com a minha amada cidade São Paulo. Até o dia 14 de abril trabalhei como uma condenada na preparação de aulas para os meus alunos – fato que não reclamo, pois confesso ter gostado muito desta